Brasil

Os arapongas de Janot

Corregedoria da PGR investiga esquema de escuta ilegal durante gestão de Janot

Crédito: Mois√©s Silva/O Tempo/Folhapress

ESPIÃO O ex-procurador-geral Rodrigo Janot é acusado de montar esquema de escuta ilegal para bisbilhotar colegas (Crédito: Mois√©s Silva/O Tempo/Folhapress)

A Corregedoria da Procuradoria-Geral da República (PGR) recebeu representação que solicita a abertura de investigação para apurar as escutas ilegais no Ministério Público Federal durante a gestão de Rodrigo Janot. O alvo é o esquema paralelo montado por Janot, que foi revelado com exclusividade em reportagem de ISTOÉ.

O então titular da PGR mantinha um serviço de arapongagem com a finalidade de bisbilhotar até mesmo seus colegas subprocuradores. Ninguém escapava. Em 2014, Raquel Dodge, hoje procuradora-geral da República, encaminhou ofício a Janot, pedindo que fosse instaurada  investigação para apurar a suposta invasão no seu gabinete.

O chefe da “grampolândia” da PGR era o secretário-geral Lauro Pinto Cardoso Neto, ex-oficial do Centro de Inteligência do Exército (CIE), que encabeçava um grupo formado por 15 militares da Polícia Militar de Brasília e pelo delegado Delfim Loureiro de Queiroz.

Em nota, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, esclarece que não existe  nenhum suspeita contra o procurador regional da República Lauro Pinto Coelho Neto. Tanto que ela o convidou para integrar a equipe da atual gestão à frente da PGR, como integrante da Secretaria da Função Penal Originária no Supremo Tribunal Federal.

Tópicos

Araponga Janot PGR