Brasil

Operação policial no Rio de Janeiro deixa ao menos 21 mortos

SÃO PAULO, 24 MAI (ANSA) – Uma operação conjunta do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Polícia Federal (PF) na Vila Cruzeiro, na Penha, zona norte do Rio de Janeiro, deixou pelo menos 21 mortos nesta terça-feira (24).   

A ofensiva provocou intenso confronto entre criminosos e agentes de segurança nas regiões de mata da localidade. Ao menos sete pessoas ficaram feridas, incluindo um policial civil, que foi baleado no rosto.   


O boletim de vítimas é divulgado pela assessoria de imprensa do Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, onde os corpos estão sendo levados.   

Segundo a Polícia Militar, pelo menos 11 mortos eram suspeitos.   

A 21ª vítima foi identificada como Gabriela Ferreira da Cunha, 41 anos, morta com uma bala perdida na entrada da Chatuba, ao lado da Vila Cruzeiro “A comunidade da Chatuba não faz parte da operação, mas é uma comunidade vizinha. Ela [a mulher] foi atingida no momento em que os criminosos atacaram os policiais no início da operação. O local foi preservado para que fosse feita a perícia”, completou o porta-voz em entrevista à Agência Brasil.   

A área foi isolada por uma equipe da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) para perícia da Delegacia de Homicídios da Capital.   

A Secretaria de Estado de Polícia Militar informou que sete fuzis e quatro pistolas foram apreendidos. Na localidade conhecida como Vacaria, 16 veículos, sendo dez motocicletas e seis carros usados por criminosos em fuga, foram recolhidos.   

O policial baleado foi identificado como Sérgio Silva do Rosário e teria sido atingido no nariz, mas chegou lúcido ao hospital.   

Ele passará por uma cirurgia para retirar a bala, que ficou alojada.   

De acordo com o chefe da Delegacia de Homicídios, delegado Alexandre Herdy, a equipe que estava fazendo a perícia no local foi encurralada por traficantes.   

Moradores relataram à imprensa que os tiros foram ouvidos a partir das 4h da manhã (horário de Brasília). Houve relatos também de tiros no Complexo do Alemão, onde bandidos tentavam usar uma estrada de terra como rota de fuga.   

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação divulgou que ao menos 13 escolas da rede municipal dos complexos da Penha e do Alemão foram fechadas em decorrência do confronto. (Com informações da Agência Brasil) (ANSA)