Geral

Operação no Rio tenta prender acusados de construir imóveis em área de milícia

Crédito: Reprodução/ TV Globo

Desabamento atingiu dois prédios na comunidade da Muzema, na Zona Oeste do Rio (Crédito: Reprodução/ TV Globo)

Uma operação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) e da Polícia Civil tenta cumprir 17 mandados de prisão preventiva contra suspeitos de integrar a milícia responsável por construções imobiliárias clandestinas na região da Muzema, comunidade da zona oeste do Rio onde, em abril, 24 pessoas morreram após a queda de dois edifícios. Os agentes estão nas ruas desde o início da manhã desta terça-feira, 16. Pelo menos um suspeito estaria sendo procurado também no Piauí.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Segundo o MP-RJ, além dos mandados de prisão, foram expedidos diversos mandados de busca e apreensão. Ao todo, foram denunciadas à Justiça 27 pessoas por envolvimento em organização criminosa e outros delitos relacionados à exploração imobiliária clandestina na região da Muzema.

Os crimes seriam, além de ocupação irregular, loteamento, construção, venda, locação e financiamento ilegais de imóveis, ligações clandestinas de água e energia elétrica e corrupção de agentes públicos. Os acusados também deverão responder por crime ambiental – uma vez que as construções são feitas em área protegida de Mata Atlântica.

No pedido de prisão, os promotores do Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (Gaema) afirmam que os denunciados “degradam a ordem urbanístico-ambiental” e colocam em risco a segurança de pessoas.

Segundo apurado nas investigações, edificações de grande porte – comercias e residenciais multifamiliares (condomínios mistos) – são erguidas à revelia do poder público e contam até com a utilização de maquinário pesado, como caminhões e escavadeiras, sendo certo que a atuação dos órgãos fiscalizadores municipais não impede a construção clandestina das unidades ou mesmo sua demolição após decisão judicial.

A Operação Muzema, como foi batizada, conta também com a participação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MP-RJ).

Veja também

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea