Tecnologia & Meio ambiente

Ondas de calor oceânico podem levar espécies a fugir por milhares de quilômetros, diz estudo

Ondas de calor oceânico podem levar espécies a fugir por milhares de quilômetros, diz estudo

Picos de calor na superfície marinha podem ter consequências catastróficas, assim como o aumento de temperatura em terra - AFP/Arquivos

Peixes e outras espécies marinhas podem ser obrigados a fugir por milhares de quilômetros para escaparem das ondas de calor oceânicas, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (5), que destaca os danos causados por estas elevações repentinas na temperatura da água.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Estas ondas caniculares são terríveis para os ecossistemas marinhos, pois causam o branqueamento dos corais, matam aves marinhas e obrigam algumas espécies, como peixes, baleias ou tartarugas a buscar águas mais frias, saindo de seu hábitat natural.

Estes picos de temperatura, que muitas vezes podem durar meses e até anos, impõem uma pressão adicional aos oceanos, que já sofrem com um aquecimento progressivo devido às mudanças climáticas.

Enquanto outras pesquisas têm se dedicado a estudar o impacto dessas ondas de calor no mar em sítios estáticos, como as barreiras de coral, o estudo publicado na quarta pela Nature, indaga até que distância as espécies marinhas devem viajar para encontrar uma temperatura marítima “normal” para elas.

“Isto é importante porque sabemos que numerosas espécies marinhas estão se deslocando muito rápido e em longas distâncias para encontrar um hábitat ideal”, explicou à AFP Michael Jacox, pesquisador da Agência Meteorológica Estadunidense (NOAA).

“Eles não ficam quietos em um lugar quando a água está aquecendo, mas até onde podem viajar para encontrar águas mais frias?”, questiona.

Para tentar responder a essa pergunta, os pesquisadores analisaram os dados vinculados a ondas de calor marinhas de 1982 até 2019 e a movimentação das espécies correspondentes.

Em algumas regiões, a água mais fria não está muito longe. Mas em zonas tropicais, onde as variações da temperatura do mar são mais sutis, as espécies podem se deslocar a mais de 2 mil quilômetros de distância para encontrar um hábitat adequado às suas necessidades, segundo o estudo

Veja também

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Nova Honda CB125F 2021 consegue o consumo recorde de 67 km/l

+ Duas mulheres desfilam de biquíni em carro pelo Leblon e cena acaba em confusão; veja o vídeo

+ Com maiô cavado, Scheila Carvalho ostenta corpo musculoso aos 47 anos

+ A Fazenda 2020: Peões ficarão 24 horas sem água encanada devido a punição por drink de álcool em gel

+ Aprenda a preparar o Chevette, drinque que virou febre em SP

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea