A Organização dos Estados Americanos (OEA) anunciou nesta sexta-feira (28) que o grupo de alto nível que irá analisar a crise política no Peru é formado por oito pessoas, incluindo cinco chanceleres.

O presidente peruano, Pedro Castillo, investigado por corrupção, pediu ajuda à OEA, que aprovou há uma semana o envio de uma missão àquele país para “promover o diálogo”.

A missão será composta pelos chanceleres de Argentina, Equador, Guatemala, Paraguai e Belize, assinalou a presidência do Conselho Permanente, órgão executivo da organização. Também irão integrá-la a vice-ministra de Assuntos Multilaterais da Colômbia, o vice-chanceler da Costa Rica e o paraguaio Eladio Loizaga, representante da Secretaria-Geral da OEA.

Segundo a presidência do Conselho Permanente, a data da viagem e a agenda do grupo serão definidas em breve.

O Peru vive uma crise política aguda, em que Castillo, no poder desde julho de 2021 para um mandato de cinco anos, enfrentou duas tentativas de destituição no Congresso – dominado pela oposição – e foi submetido a seis investigações fiscais por corrupção, do que também é acusado seu círculo familiar e político mais próximo.

O Ministério Público denunciou Castillo formalmente perante o Parlamento, um processo que pode levar a um pré-julgamento político e à suspensão do presidente, que se considera vítima de uma campanha para tirá-lo do poder.