Obrigado, Mário Carvalho

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)

Há fundamentalmente dois tipos de pessoas. Aquelas que te dizem na cara o que pensam e o que vão fazer, mesmo quando isso significa dizer não; e as outras que te agradam à vista, mas nas costas te consomem a crédito, e vão parcelando as suas relações na lógica hipócrita dos interesses pessoais. As primeiras você deve sempre ter por perto. As outras, ignorar.

A coluna de hoje é a minha homenagem a uma das pessoas com quem aprendi a importância dessa diferença: o Senhor Mário Carvalho. É tão bom ter-te por perto!


O Mário Carvalho é um Senhor com Letra Grande e caráter capital, que ao longo de mais de quatro décadas, com uma dedicação sempre jovem e entusiamo renovado, foi o responsável pela gestão das rotas aéreas que ligam Portugal ao Brasil.

Durante mais de 40 anos o Mário foi a cara da companhia aérea de Portugal — TAP — a empresa ainda hoje responsável pelo maior número de ligações do Brasil ao estrangeiro. Foram quatro décadas a viver por dentro e em discurso direto a reedição constante duma relação intensa. Ele é parte da história partilhada dos dois países. Dono de um saber que é obrigatório preservar.

Conheci o Mário primeiro pelo nome — nas memórias de outro homem ilustre, o comendador Mendes Pereira — no tempo em que os líderes da jovem democracia portuguesa vinham ao Brasil pedir o apoio dos empresários portugueses (que aqui viviam) para a reconstrução do país antigo e quase medieval que era Portugal antes da revolução de 74.

Quando finalmente o conheci pessoalmente – quase uma década depois — numa viagem de trabalho à Bahia, imediatamente encontrei no seu olhar doce e tranquilo, na voz pausada e serena, aquilo que faz a diferença entre os homens que interessa guardar e os que é preciso esquecer.

Nessa noite Bahiana trocámos risos sobre a nossa “estória” comum, a felicidade do nosso encontro e  a beleza do Brasil; e começamos uma amizade desinteressada e franca que não vai terminar nunca mais.

Sobre o Mário Carvalho eu poderia dizer, sem risco de exagero, que ele hoje está para o “ar“, como antes o Pedro esteve para o “mar”; e que as “asas” de Carvalho estiveram sempre à atura das “velas” de Cabral.

Esta semana, num almoço de Lusitanos no restaurante Bela Cintra, em São Paulo, o Mário chegou-se e a mim e disse – “vou deixar a TAP”. E no seu olhar doce senti aquela tristeza quem só têm os homens bons que nunca querem parar de fazer o que amam. Abracei-o e, nesse segundo, nasceu este texto.

É verdade que a história é sempre mais generosa para os antepassados mortos — que nunca vimos mais gordos, que para os amigos vivos — de que gostamos muito, e na verdade eu não quero esperar cinco séculos para agradecer ao Mário.






Sobre o autor

Fundador da Informacion Capital Consulting e Diretor da Câmara de Comércio e Industria Luso Brasileira em Lisboa onde coordena o comité de Trade Finance é o autor do estudo "O Potencial de Expansão das Exportações Brasileiras para Portugal”. Atua atualmente como investidor e consultor, estando envolvido em projetos de intercâmbio internacional nas áreas do comércio, tecnologia e real estate. Vive com um pé em cada lado do Atlântico, entre São Paulo e Lisboa. É autor e colunista na imprensa internacional sobre temas de investimento, importação e exportação e inteligência de mercado. É um entusiasta da cultura e da língua portuguesa.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.