Edição nº2497 20.10 Ver edições anteriores

Obama, go home!

O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, iniciou pelo Brasil a sua nova carreira de palestrante internacional.

O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, iniciou pelo Brasil a sua nova carreira de palestrante internacional. Como todo ex-presidente de relativo sucesso e certo apelo para públicos corporativos, como Bill Clinton, Tony Blair, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, Obama decidiu ganhar a vida honestamente vendendo palestras e arrecadando recursos para seu instituto — nos Estados Unidos, essa atividade ainda não foi criminalizada.

Em São Paulo, Obama repetiu suas platitudes de sempre. Disse que sistemas previdenciários precisam ser sólidos, que o mundo precisa de mais tolerância, que o futuro pertence às novas lideranças e que só progridem aqueles países que investem em educação. Um blablablá óbvio, mas que seduz engravatados dispostos a tirar suas selfies num evento com um popstar da política internacional.

No entanto, como Obama escolheu o Brasil para recolheu seus primeiros dólares, é importante recordar o que foi a política externa norte-americana para o País em sua gestão. Em 2013, o site Wikileaks, de Julian Assange, e o agente Edward Snowden, da NSA, revelaram que os Estados Unidos espionaram vários líderes internacionais, como a primeira-ministra alemã Angela Merkel e a presidente Dilma Rousseff. No Brasil, o foco central da bisbilhotagem era a Petrobras e o pré-sal – um fato óbvio diante da obsessão norte-americana por garantir sua segurança energética, ainda que isso envolva guerras, invasões e apoios a golpes de estado.

Obama se viu forçado a explicar a natureza dessa espionagem num encontro de cúpula do G20 em São Petersburgo, na Rússia, em 2013, mas suas justificativas não foram convincentes e as relações Brasil-Estados Unidos permaneceram congeladas até 2015, quando ele recebeu Dilma nos Estados Unidos. Nesse período, no entanto, o golpe parlamentar de 2016 foi sendo arquitetado — ao que tudo indica, com apoio informal norte-americano. Qual foi a primeira mudança relevante no Brasil pós-golpe? O modelo de exploração do petróleo, que deixou de ser o de partilha, que garantiria mais recursos à União, e passou a ser o de concessões.

No primeiro leilão, realizado em setembro, a maior compradora foi a norte-americana Exxon. Nos próximos, virão a Chevron, a Shell e outras multinacionais. Com a partilha, previa-se que os recursos do pré-sal seriam destinados prioritariamente à educação num governo cujo lema era “Pátria Educadora”. Agora, no Brasil da “Ordem e Progresso”, os gastos públicos foram congelados por vinte anos e a educação será uma das primeiras vítimas. A UERJ praticamente paralisou suas atividades, o reitor da UFSC se matou, após ser vítima de um justiçamento midiático, e, em breve, será proposto o fim da gratuidade nas universidades públicas. Com a educação sucateada no Brasil, a elite, cada vez mais, envia seus filhos para universidades internacionais — o que reforça a lógica da dominação cultural.

Dizer que o futuro das nações depende de investimentos em educação é fácil, Obama. Fazer, depende de governos nacionalistas e capazes de se proteger contra dominações imperiais.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.