Edição nº2496 12.10 Ver edições anteriores

O verdadeiro Lula

Já foi dito que o esquerdismo prevalece quando a visão estética de mundo fala mais alto do que a busca pela verdade, ou seja, quando as aparências importam mais do que a essência. A retórica sensacionalista seduz os corações enquanto a mente segue imune aos fatos. O apelo emocional é mais forte do que o argumento racional. A vaidade alimenta a hipocrisia daqueles que só querem se sentir moralmente superiores, sem ter de efetivamente sê-lo. No Brasil, essa postura sempre predominou, culminando no “coitadismo”, traço marcante de nossa cultura. Quem não chora não mama. O sucesso individual é visto como pecado mortal, enquanto as vítimas proliferam feito coelhos, sempre conquistando o poder com sua demonstração de suposta fraqueza. O mito do “bom selvagem” é irresistível para a nossa elite culpada.

Foi assim que se criou o mito do retirante nordestino que virou metalúrgico e depois entrou para a política para combater as injustiças e desigualdades e lutar pelos fracos o oprimidos. Era uma narrativa sedutora, que levava os “intelectuais” ao orgasmo. O marxismo nunca foi parido pelos trabalhadores, e sim pelos pensadores de classe média ou alta. Ele é o ópio dos intelectuais, como disse Raymond Aron. O Lula que iluminava o mundo quando abria a boca era o fantasma de Marilena Chaui. O Lula que lutava pelos desvalidos era a fantasia de Chico Buarque. O PT cresceu graças aos membros dessa elite, que só queria saber das aparências, da estética. Quem tinha olhos para enxergar sabia que o petista nunca deixou de ser um oportunista disposto a só se dar bem, não importa em quem tivesse que pisar. Isso desde as greves, já durante o regime militar.

A decepção de muitos com o “novo” Lula exposto após as delações de Emílio e Marcelo Odebrecht só mostra como essas pessoas foram ingênuas, não quiseram abandonar as ilusões para ver as coisas como elas são. Preferiram permanecer no mundo das aparências apesar de todas as evidências contrárias. Alguns ainda relutam contra os fatos, para salvar o mito.

Para a imensa maioria, porém, ficou claro quem é Lula, quem sempre foi Lula. Os que nele acreditaram se sentem traídos e querem vingança, e os que sempre souberam sua verdadeira essência querem justiça, por todo o mal que ele causou ao País. A prisão de Lula é aguardada como um ato simbólico da luta contra a impunidade.

Mas o inimigo maior ainda é essa mentalidade estética e a narrativa da vitimização. Se hoje Lula pode estar desmoralizado, isso não quer dizer que um outro Lula não possa surgir em cena. Enquanto houver gente disposta a sacrificar os fatos em prol de suas ilusões, lá estará algum oportunista de plantão, pronto para explorar com sua demagogia essa característica. O PSOL que o diga…

Os que nele acreditaram se sentem traídos e querem vingança, e os que sempre souberam sua verdadeira essência querem justiça, por todo o mal que fez ao País

Tópicos

Lula

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.