Edição nº2607 13/12 Ver edições anteriores

O verdadeiro algoz da direita

Em tempos de manipulação das massas, com o atual governo apelando para um discurso que ameaça nossas instituições democráticas de modo a encobrir a própria incompetência, torna-se impossível não evocar exemplos passados.

Talvez surpreenda os mais jovens, porém Fernando Collor de Mello usou da mesma estratégia: tentou inflamar a parcela da sociedade que o elegeu presidente, ao acusar o establishment de atrapalhar o seu governo. Por falar em manipulação das massas, talvez ninguém tenha feito tanto pela idiotização generalizada, decerto não por tanto tempo, quanto Lula durante o período em que esteve no poder. Antes e depois disso, inclusive.

Tratando dos dias atuais, contudo, devemos reconhecer o mérito da gestão Bolsonaro em alcançar um feito jamais sonhado por qualquer político – em especial pelo próprio Lula, o PT e a esquerda como um todo: inviabilizar o estabelecimento formal de uma direita conservadora relevante e do liberalismo econômico no Brasil.

Após quase duas décadas de domínio político irrigado financeiramente por um esquema corrupto que visava a hegemonia, o compreensível impulso do pêndulo eleitoral para longe do campo progressista possibilitou um momento oportuno para o ensejo de novas ideias. Chance única de mostrar aos brasileiros alternativas na forma de se administrar o País. De que, se patrulhas ideológicas em qualquer área não são toleráveis, isso é ainda mais verdadeiro quando afeta políticas públicas. E que o discurso radical deveria ser deixado de lado, se realmente estivermos interessados em prosperar como nação, tanto no aspecto econômico quanto no social.

Pois, avis rara, tal chance está sendo desperdiçada. Na esteira da incompetência, dos disparates do presidente, de seus filhos, ministros e sustentadores, a mácula é inevitável. Respinga não apenas em outra visão de mundo, mas também em um modo diferente de fazer as coisas.

Assim, se à época de Lula a direita era propagandeada como insensível, até mesmo cruel, Bolsonaro faz de tudo para reforçar esse estigma. Se o conservadorismo era vendido como obscuro, até mesmo tirano, eis que surge o bolsonarismo para dobrar a aposta. E ainda sobrou para o liberalismo econômico, já que o mercado, de gaiato, resolveu entrar como padrinho nessa barafunda. Inês é morta, já dizia o outro. Que sirva de lição para não votarmos mais com o fígado. E sim, com a cabeça.

Na esteira da incompetência e dos disparates do presidente, a mácula respinga não apenas em outra visão de mundo, mas também em um modo diferente de fazer as coisas


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.