Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Quando o assunto é sexo, muito se ouve falar sobre libido. Mas o que significa, exatamente, esse termo e como isso afeta a vida e qualidade sexual das pessoas?

+ 4 maneiras simples para recuperar sua libido

+ 10 mentiras sobre sexo nas quais você não deve acreditar

O que é libido?

Libido é o princípio do desejo de buscar satisfação sexual, que é regularmente influenciado por uma série de fatores que a fazem oscilar no cérebro humano”, diz a psicóloga Ellen Moraes Senra à “Women’s Health”, de onde são as informações.

Assim, a libido pode ser acionada por meio diferentes sentidos: olfato, tato e visão, por exemplo. Na prática, quando a libido está elevada, ela inclina o indivíduo a se excitar diante da exposição ao estímulo sexual.

Quando uma pessoa com uma libido regulada é exposta a estes estímulos, ela normalmente reage, buscando a satisfação do desejo sexual.  “Pode ser diferente em homens e mulheres visto que o segundo grupo costuma ter maior flutuação hormonal”, conta a especialista.

Segundo Senra, as mulheres podem ter sua libido alterada até mesmo dentro de cada fase do ciclo menstrual. Tudo depende da resposta do organismo de cada mulher aos efeitos que vivência diante do período.

Como despertar a libido?

“Muita gente busca formas de despertar a libido quando na realidade esta é uma manifestação, ou seja, a libido desperta o desejo sexual e não o contrário”, explica a psicóloga. Logo que a despertamos, torna-se o impulso pela busca da satisfação sexual.

Se a libido se encontra bem regulada, dificilmente fatores externos como o cansaço, noites insones, preocupações excessivas ou até mesmo a falta de um parceiro fixo irão atrapalhar, uma vez que ela foi acionada.

“Mesmo com estímulos externos que possam fazer com que o indivíduo não fique atento a seus impulsos sexuais, a libido sem alteração irá fazer com que esse mesmo indivíduo reaja diante de outros estímulos”, diz Senra.

O que diminui ou aumenta a libido?

Alguns fatores podem influenciar o aumento ou a diminuição da libido. Segundo a especialista, esses são alguns exemplos:

• Períodos da gestação;

• Transtornos de humor como depressão e ansiedade;

Menopausa;

• Intervenção medicamentosa para o tratamento de alguns transtornos psicológicos ou fisiológicos. Isso inclui algumas classes de antidepressivos e até mesmo medicação para tratamento de alergias.

É importante ressaltar, ainda, a necessidade de busca por ajuda profissional em casos de manifestações extremas de aumento ou diminuição da libido. “O médico irá avaliar a necessidade de tratamento adequado, podendo incluir reposição hormonal, troca de medicamentos e até mesmo auxílio psicológico”, finaliza a psicóloga.