O projeto golpista de Bolsonaro

Jair Bolsonaro caminha para tentar um golpe de Estado. Faz parte da sua concepção política. É um nazifascista. Não consegue conviver com as instituições democráticas, mas sempre fez uso delas para desmoralizá-las e ir paulatinamente ocupando espaço para, no final, destruí-las e tomar o poder. A história é longa. Começou na eleição de 1988 quando foi eleito vereador no Rio de Janeiro. Ao longo de 30 anos de (pífia) vida parlamentar não perdeu um momento sequer para atacar os valores consubstanciados na Constituição de 1988. Contou com a complacência dos democratas que levaram na galhofa suas diatribes reacionárias. Tudo poderia ter sido diferente se tivesse sido acionado judicialmente e até perdido o mandato, pois violou sistematicamente o ordenamento legal com declarações racistas, homofóbicas, de defesa de torturadores e ditadores, além de proclamar aos quatro ventos a “necessidade” de matar 30 mil brasileiros e fuzilar o presidente Fernando Henrique Cardoso.

O presidente contou com a complacência dos democratas que levaram na galhofa suas diatribes reacionárias, como a da “necessidade” de matar 30 mil pessoas

A falta de reação abriu caminho para que continuasse na sua cruzada nazifascista e fosse ganhando apoio de setores reacionários da sociedade. Nas últimas décadas foi construída uma narrativa cor de rosa que ocultou a presença de correntes que eram antagônicas ao Estado democrático de Direito edificado a partir de 1988. Os ultrarreacinários não tinham se convertido à democracia. Simplesmente estavam em silêncio aguardando o momento adequado para voltar a agir. Não custa recordar que a maior seção do partido nazista no exterior, nos anos 1930, estava situada no Brasil.

Ao assumir a Presidência, Bolsonaro ampliou a velocidade dos ataques à democracia, agora facilitados porque passou a deter o aparelho de Estado. Cooptou as Forças Armadas em troca de benesses. Aproximou-se das polícias militares com o intuito de transformá-las em instrumento do seu projeto golpista. A ABIN e o GSI passaram a fazer parte do “seu” sistema de inteligência. Quer – ainda não conseguiu – transformar a PF em “sua” polícia especial. Espalhou armas de grosso calibre para seus sequazes com o objetivo de tê-los como um grupamento adicional no momento do confronto final com as instituições. Estabeleceu uma rede de fake news articulada com rádios e televisões. As concessões públicas ao reproduzir as notícias falsas dão a elas a chancela de veracidade. Como no período de vida parlamentar, suas ações continuam sendo levadas na galhofa. É hora de reagir antes que seja tarde.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

Veja também

+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Os 4 signos mais psicopatas do zodíaco
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.