O povo dos livros

O povo dos livros

Os povos e as sociedades que subsistem na História são as que se especializam ao longo do tempo em uma determinada área, apresentando ao mundo uma proposta de valor inovadora e vantagem competitiva concreta. Quando isso não acontece essas sociedades ou se extinguem ou produzem civilizações fracas.

Existe um povo com uma história antiga que se especializou em viajar e no relacionamento com outras sociedades, mas, querendo a sorte e o destino que o seu território de origem fosse pequeno e pobre, ele encontrou no exercício de colecionar memórias transumantes, a sua vocação estratégica. Foi por isso que os povos da nossa língua sempre levaram seus livros muito a sério.

Este era um povo que amava tanto o mar, o longe e a distância que os seus homens e mulheres sempre aceitavam com alegria o desafio interior de partir à aventura.

Diz-se que esse povo não sabia resistir ao apelo do desconhecido e desde os tempos imemoriais não havia relatos de alguma vez terem hesitado entre ficar, ou escolher aquela nova rota do destino,,, a que mais tarde alguém haveria de chamar fado.

Um povo assim, sempre cheio de desejos de aventura e vontades permanentes de abandonar a sua terra de origem, chama para si muitas atenções épicas, mas também incorre em grandes perigos, nomeadamente não organizar bem a sua casa.

E como a exígua faixa de terra junto ao mar, de onde esse povo é originário, não abundava em campos férteis nem subsolos generosos, isso impelia-os – o que sem poesia significa obrigava-os – a partir.

Como todos sabem foi essa secular necessidade, conjugada por uma intrépida vontade que lhes afiou o engenho, aguçou a vista, e os transformou em inventores da globalização.

E foram exatamente essas viagens, com todos os seus destinos e paragens, naufrágios e cabotagens, a origem de uma das características mais notáveis desse povo: serem colecionadores de memórias.

Como nenhuma outra gente, são ricos em adágios, aforismos e ditados populares; sendo tão exuberantes nas suas memórias de oralidade – (in)compreendidas entre profecias de Bandarra  e mitos de Sebastião – como, depois de Gutemberg ter inventado a letra solta –  compulsivos colecionadores de  livros.

Os livros são tão importantes para este povo que, quando, no dia de todos os santos em 1755, um terremoto lhes tirou para sempre a independência económica, o maior – talvez o único desígnio nacional – passou a ser reconstruir a magnífica biblioteca dos Reis que a fúria do destino e raiva do fogo lhes tirou.

Mais tarde quando esse povo se espalhou pelo mundo e foi originando outros povos que se transformaram – com erros e glórias – em outros povos ainda, e nos quatros cantos do mundo, haviam de continuar sendo os livros a ocupar o centro de importantes decisões políticas, como aconteceu uns anos mais tarde no Brasil.


Saiba mais
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Tópicos

livro

Sobre o autor

Fundador da Informacion Capital Consulting e Diretor da Câmara de Comércio e Industria Luso Brasileira em Lisboa onde coordena o comité de Trade Finance é o autor do estudo "O Potencial de Expansão das Exportações Brasileiras para Portugal”. Atua atualmente como investidor e consultor, estando envolvido em projetos de intercâmbio internacional nas áreas do comércio, tecnologia e real estate. Vive com um pé em cada lado do Atlântico, entre São Paulo e Lisboa. É autor e colunista na imprensa internacional sobre temas de investimento, importação e exportação e inteligência de mercado. É um entusiasta da cultura e da língua portuguesa.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.