O poder das ideias

“Mude as ideias, e você poderá mudar o curso da história”, disse Edmund Burke. “Nada nesse mundo é tão poderoso como uma ideia cuja hora é chegada”, constatou Victor Hugo. “Ideias e somente ideias podem iluminar a escuridão”, observou Ludwig von Mises. Esses são apenas alguns dos muitos pensadores que compreenderam a importância das ideias no rumo de uma sociedade.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Vivemos tempos interessantes e desafiadores no Brasil. Após 14 anos de desgraça petista, e décadas de hegemonia “progressista”, finalmente temos a chance de dar uma guinada à direita. Bolsonaro soube, como político, capturar e fomentar esse clima, mas ele também é mais sintoma do que causa. Por trás desse ambiente reformista há o esforço contínuo e coletivo de diversos defensores da liberdade.

Podemos começar com o próprio Paulo Guedes, que será o poderoso ministro da Fazenda. Guedes prega a receita liberal há décadas, apontando para o esgotamento do modelo socialdemocrata vigente. Pegou a tocha carregada antes por Roberto Campos, praticamente sozinho, e a manteve acesa. Agora terá a oportunidade de finalmente colocar em prática as ideias liberais.

Mas ele não estava sozinho, e isso fez toda a diferença. Os “think tanks” estavam disseminando os valores liberais há anos, e com o advento das redes sociais a mensagem alcançou milhões de brasileiros. Do Instituto Liberal fundado por Donald Stewart, e do qual tenho a honra de ser presidente, temos diversos nomes compondo o próximo governo. Não é por acaso.

A turma jovem do MBL merece todo respeito por colocar a mão na massa e saber mobilizar multidões, mas também eles são resultado do trabalho de pensadores liberais. Quando víamos nas ruas placas com os dizeres “Menos Marx, Mais Mises”, lá estava a impressão digital do esforço do IL e também do Instituto Mises, fundado por Helio Beltrão. Eduardo Bolsonaro foi aluno do curso por ele oferecido.

No âmbito dos costumes temos um desejo de resgate dos valores conservadores. De onde vem isso? Justiça seja feita, Olavo de Carvalho vinha pregando nesse deserto há anos, e não por acaso hoje é o “guru” de Bolsonaro, e já indicou dois ministros. Agora jornalistas querem entender melhor quem ele é e o que pensa, mas uma legião de seguidores já o acompanha faz tempo.

Não nego a relevância das circunstâncias. Sem o fracasso petista nada disso seria possível, ao menos não tão cedo. Mas foi a dedicação dessa militância intelectual que permitiu pavimentar o caminho para o que teremos agora. Empresários costumam ser muito práticos e menosprezar o campo das ideias. Não é o caso de Salim Mattar, da Localiza, que sempre apoiou essas iniciativas. Nada mais justo do que ele ter a oportunidade, agora, de liderar o processo de desestatização no País. A hora é essa!

A turma jovem do MBL merece todo respeito por saber mobilizar multidões, mas também eles são resultado do trabalho de pensadores liberais

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.