O plano de Vacinanão

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)

Tem erro não. O que não tem é plano. Porque não tem vacina. Logo, o plano não é de vacinação. Aqui no Brasil o plano é de vacina não. Mas será que isso não tem solução?

A vacinação — ou a sua ausência — no Brasil é uma metáfora perfeita para mais uma oportunidade perdida. Enquanto na próxima semana, em Davos, as elites internacionais vão discutir como o mundo vai ser depois da pandemia, o Brasil continua enrolado em si próprio, mergulhado em ocasos locais e indisponibilidades globais.

O Covid é um problema do mundo inteiro, um risco generalizado que afeta toda a humanidade. Ele representa uma ruptura global que não tem solução local. Não é coisa de capitão, e infelizmente, no caso do Brasil, também não é de general.

Num momento em que uma unidade nacional e um pensamento global e estratégico poderiam trazer vantagens únicas para a competitividade do Brasil neste mundo complexo que hoje se desenha, nenhum líder da terra amada está sequer pensando nisso. Ao invés, estamos dando ao mundo uma imagem patética de nação irrelevante.
Quando o Brasil devia estar no centro do debate, esgrimindo internacionalmente a relevância de quem tem o poder de alimentar o planeta, nossos líderes se perdem em guerras vãs que não servem a ninguém, a não ser às estratégias pessoais.

O “celeiro do mundo” não é aquela megaempresa de agro tecnologia, capaz de uma voz atuante na definição do futuro da alimentação global; o maior produtor potencial de alimentos não é capaz de aproveitar a grande crise para ser pioneiro da grande solução que o mundo vai precisar.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

Em vez de ser líder no Big Reset — do “Grande Zerar” que o mundo vai ter — nossos líderes insistem em pertencer ao Grande Zero. Na boca do gol, chutando pro céu.

“O brasileiro é um feriado” — fala Nelson Rodrigues! — “O brasileiro não está preparado para ser o maior do mundo em coisa nenhuma. Ser o maior do mundo em qualquer coisa, mesmo em cuspe à distância, implica uma grave, pesada e sufocante responsabilidade”.

Olha a estratégia! Como a gente não tem vacina vamos xingar a China. Depois, vamos pedir ajuda para a Índia mas, no entretanto, aprovamos a compra emergencial das vacinas chinesas e esquecemos as indianas.

Como magos logísticos vamos impedir a exportação de seringas e, ao mesmo tempo, esquecer de proibir a exportação dos insumos de seringa.

O mundo tem planos de vacinação! A gente tem de vacilação.

Veja também

+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Aprenda 5 molhos fáceis para aproveitar o macarrão estocado
+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.