O pilar do teto de gastos

Uma das maiores preocupações do mercado no momento é com a pressão política por mudança no teto de gastos. Promulgada em 2016 na gestão do presidente Michel Temer, a Emenda Constitucional nº 95, que instituiu um novo regime fiscal no país, foi importante para sinalizar aos investidores o compromisso do Brasil com o equilíbrio das contas públicas. Conforme o texto aprovado, o gasto público corresponderá ao do exercício anterior acrescido apenas da inflação. Assim, para aumentar a despesa de um lado, será preciso reduzir de outro. A emenda tem validade por 20 anos. Nela consta um dispositivo que abre espaço para revisão apenas a partir do décimo exercício de vigência do novo regime, quando, por meio de projeto de lei complementar, o presidente da República poderá propor alteração do método de correção do limite de gastos. A primeira revisão, portanto, só deve ocorrer em 2026, mas a pandemia de covid-19 está servindo de pretexto para que se altere o texto antes dessa data.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Algumas ideias estão sendo colocadas na mesa, como a que estabelece a suspensão do teto por dois anos. Já existem duas propostas nesse sentido no Senado. Há também quem defenda a prorrogação do estado de calamidade pública, previsto para se encerrar em 31 de dezembro. Assim, não seria necessário cumprir nem a Lei de Responsabilidade Fiscal nem a “regra de ouro” (que proíbe endividamento para pagar despesas correntes). O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem se mostrado a favor da manutenção do teto de gastos. Permitir que o governo gaste mais, ao invés de aprovar mudanças estruturais que reduzam os gastos obrigatórios, por exemplo, com uma Reforma Administrativa, e que melhorem o ambiente de negócios, com uma Reforma Tributária.

O país sofreu para aprovar a Reforma da Previdência e garantir, no prazo de dez anos, uma economia perto de R$ 1 trilhão. Esse será praticamente o rombo que o governo apresentará devido aos gastos efetuados entre março e dezembro deste ano. Um gasto, sem dúvida alguma, necessário, para evitar uma quebradeira ainda maior de empresas e uma convulsão social, já que milhares de trabalhadores, especialmente os informais, perderam suas fontes de renda. Mas flexibilizar o teto de gastos pode provocar um efeito ainda pior sobre a economia. Com as finanças públicas destroçadas, a confiança dos investidores no país poderá sofrer grande abalo. Seria uma sinalização de que as regras por aqui, por mais que estejam definidas no texto constitucional, não são confiáveis e podem ser alteradas a qualquer tempo.

O Brasil sofreu para aprovar a Reforma da Previdência e garantir, no prazo de dez anos, uma economia perto de R$ 1 trilhão

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Último superjumbo Airbus A380 é montado na França

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.