Brasil

O peso de Alckmin

O ex-governador se une ao adversário histórico para moderar a imagem de Lula, repetindo manobra do petista em 2002. Depois de deixar o PSDB, o paulista deseja ter protagonismo num eventual governo petista e mira o meio ambiente

Crédito:  Zanone Fraissat

NOVOS ALIADOS Alckmin sempre teve Lula como adversário histórico, mas hoje o ex-tucano segue os passos do petista (Crédito: Zanone Fraissat)

ERRO BRUTAL Para o deputado Rui Falcão, a presença de Alckmin na chapa pode desmobilizar a militância e reviver o fantasma da traição do vice (Crédito: Adriano Machado)

Os vices são um problema político no Brasil desde o nascimento da República. Floriano Peixoto e João Goulart protagonizaram papéis cruciais em momentos de instabilidade. Após a redemocratização, que teve dois impeachments, três dos cinco vices assumiram a Presidência acusados de tramarem contra os titulares ou de romperem com os grupos que os elegeram. No atual governo, o vice Hamilton Mourão é tratado como inimigo pelo bolsonarismo desde os primeiros dias de gestão.

Assim, é surpreendente que o atual líder nas pesquisas, o ex-presidente Lula, tenha escolhido exatamente um adversário histórico para compor sua chapa nas eleições daqui a sete meses. Seja uma jogada de mestre ou manobra temerária, a adesão de Geraldo Alckmin à candidatura do petista na prática mudou o cenário eleitoral. Esvaziou a terceira via e enfraqueceu o PSDB, que rivaliza com o PT no campo da centro-esquerda desde os anos 1980. Quatro vezes governador e candidato a presidente em duas ocasiões, Alckmin acaba de se desligar da antiga legenda para se filiar no final do mês ao PSB. O movimento, como era previsto, decepcionou antigos aliados e também criou problemas para as principais lideranças petistas, já que a grande maioria dos filiados vê o ex-governador como um inimigo dos movimentos sociais abrigados no PT.

BICADAS NO NINHO Doria evita criticar Alckmin, mas faz ressalvas: “Eu jamais me associaria a um ladrão” (Crédito:Divulgação)

Lula, no entanto, ignora essa chiadeira, repetindo o gesto que tomou em 2002, quando escolheu para vice o empresário José Alencar (PL), morto em 2010, o que serviu como passaporte para o partido se aproximar da classe média e dos empresários, fator que acabou sendo decisivo para a vitória naquele ano contra o PSDB de José Serra e FHC. O líder petista, inclusive, pretende encerrar de vez essa polêmica no próximo dia 9, quando deve realizar um grande ato público na avenida Paulista para o lançamento de sua candidatura, com festa popular e artistas que o apoiam. O ex-tucano terá lugar de destaque ao seu lado no alto do carro de som que animará o evento.

“Essa aproximação faz a gente lembrar das eleições de 2006, quando Alckmin perdeu o pleito para Lula”, diz Marcia Dias, professora da UNIRIO. Entre as vantagens, dá uma contrapartida religiosa aos eleitores evangélicos de Bolsonaro e aproxima o eleitor mais conservador do petismo. Para a pesquisadora, Alckmin deseja ter projeção nacional e sua participação na chapa permite que Lula seja “ainda mais de esquerda na hora de falar para o seu eleitor, uma estratégia política bem pensada que a gente não sabe se vai dar certo”, afirma. Além de convencer a sociedade de suas intenções, Lula precisará lidar com o público interno. Assim como em 2002, dará um recado duro aos petistas que rejeitam Alckmin. Deverá fazer um pronunciamento em reunião do Diretório Nacional do PT, o que previa fazer no dia 18, em São Paulo, para deixar claro que o partido deve tomar de forma unânime a decisão de abraçar o ex-tucano. Há 22 anos, Lula chegou a ameaçar não ser candidato caso o PT vetasse a coligação com o PL de Alencar.

Um dos que lideram o movimento contra Alckmin é o deputado Rui Falcão, ex-presidente nacional do PT. “É um erro estratégico brutal”, disse. Ele considera que a presença do ex-tucano pode desmobilizar a militância e também saca um argumento de peso: o risco de “traição”, que o MDB de Michel Temer já teria cometido contra Dilma Rousseff em 2016. Essa ponderação, no entanto, não tem sensibilizado Lula. Ele não demonstra ressentimento e tem conclamado os líderes emedebistas a apoiarem sua candidatura, incluindo o senador Renan Calheiros e outros dirigentes de peso da legenda, como José Sarney. “Alckmin tem estatura política”, diz Lula, que confia no ex-governador. Para diminuir o risco de “conspiração”, o petista já lhe prometeu um ministério, provavelmente o da Agricultura, para que Alckmin não tenha função meramente burocrática, como tinha Temer. Cientistas políticos consideram que o desejo hegemônico do PT, que escanteou os aliados no governo Dilma, foi exatamente um dos gatilhos do impeachment.

Mas os petistas mais radicais continuam a pressionar Lula, testando as determinações do ex–presidente. A costura envolve outros partidos. Um dos que mais pressionam o petista é o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto, Guilherme Boulos (PSOL), que deseja ser candidato ao governo de São Paulo (Lula tenta demovê-lo para privilegiar Fernando Haddad). Quando lhe dizem que Alckmin poderá ajudar o petista na governabilidade, o líder sem-teto pergunta: “Quantos deputados o Alckmin tem no Congresso? Nenhum”. E completa:“Pega a bancada do PSDB no Congresso, que já é bastante diminuta hoje. Quantos respondem ao Alckmin?”

“Os eventuais incômodos dentro do PT foram muito tímidos”
Rafael Cortez, cientista político da FGV

Cassetete nos sem-teto

“Os eventuais incômodos dentro do PT foram muito tímidos. Ocorreram manifestações quase pessoais”, avalia Rafael Cortez, cientista político da FGV e sócio da Tendência Consultoria. Ele considera que Alckmin favorece Lula pois reduz a percepção de risco associada ao petista e “faz com que o PT não precise fazer concessões em termos programáticos”. O ex-presidente explica que deseja se aproximar do centro para ampliar seu apoio na sociedade, afastando a visão de que é candidato da extrema esquerda radical.

CASSETETES Boulos não esquece que foi o ex-governador que mandou reprimir os sem-teto pela invasão de um terreno em São Paulo (Crédito:Marlene Bergamo)

Depois de se beneficiar com a anulação das sentenças que o fustigaram e o levaram à prisão, Lula diminuiu sua rejeição e sonha até em ganhar no primeiro turno. Mas sua campanha tropeçou com o apoio a ditadores amigos, como o nicaraguense Daniel Ortega, e também com as dúvidas sobre uma eventual volta à política econômica nacionalista, com populismo e ataque às privatizações. Nesse aspecto, Alckmin seria o maior avalista de que a iniciativa privada poderá ter participação maior em seu governo. Boulos e Falcão expressam a rejeição a essa tese. “Na periferia, as pessoas querem ter um vice com outra trajetória, que não tenha uma concepção neoliberal e que não defenda as privatizações”, disse Falcão. Já Boulos lembrou que Alckmin, quando era governador, liderou a maior repressão da história contra os sem-teto que ocuparam uma área conhecida como Pinheirinho, em que centenas de trabalhadores foram desalojados à base de cassetetes. As críticas também partem da Fundação Perseu Abramo, presidida pelo ex-senador Aloizio Mercadante. Em documento de 89 páginas, a entidade lembra que Alckmin governou São Paulo de 2001 a 2006 e de 2011 a 2018, períodos em que “adotou políticas neoliberais e ampliou as desigualdades sociais, concentrou renda, riqueza e propriedade, além de sucatear os serviços públicos”.

Na ala moderada do petismo, há lideranças que compreendem o jogo de Lula. O prefeito de Araraquara, Edinho Silva, ex-presidente do PT de São Paulo, acha que a disputa este ano se dará entre a democracia e o autoritarismo representados por Bolsonaro. “Apesar das contradições, é hora de buscarmos muito mais o que nos une do que aquilo que nos separa”, resume. Pensamento semelhante têm petistas históricos como o ex-governador Tarso Genro e os senadores Paulo Paim e Humberto Costa. Lula não está pensando só na eleição, mas depois do pleito também, concorda Paulo Baia, sociólogo e professor da UFRJ. “O sentimento antipetista ainda é muito forte. Essa aliança é uma estratégia bem parecida com a do Lulinha Paz e Amor de 2002, embora o cenário não seja o mesmo”, diz.

ENCRUZILHADA Edinho Silva acha que Alckmin pode ajudar o PT a vencer a luta da democracia contra o autoritarismo (Crédito:Andressa Anholete)

Papel em área vital

Alckmin se agarra como pode nessa aliança, pois deve ser seu último ato na política nacional. Ele amargava o ostracismo desde que sofreu uma derrota humilhante na eleição presidencial de 2018, quando fez apenas 4,7% dos votos. Encara a nova fase como uma hábil volta por cima. Não deseja ser um vice decorativo. Além de atuar como ponte entre os extremos para diminuir a polarização no País, deseja ter protagonismo em alguma área estratégica. Cogita (a exemplo do atual vice, Hamilton Mourão) ter alguma responsabilidade na área ambiental, que é relevante para os acordos comerciais e para a inserção internacional do Brasil. Para encarnar o novo papel, tem procurado multiplicar encontros com lideranças progressistas em seus tradicionais encontros em padarias pela capital paulista. Tomou cafezinho com o vereador Eduardo Suplicy, com o sacerdote de candomblé Diego Aira e com a influencer e ex-BBB Ariadna Arantes, representante da comunidade trans. É um reposicionamento importante para um político que sempre foi ligado à direita do seu antigo partido, identificado com a Igreja Católica e sua ala mais conservadora, a Opus Dei.

O contorcionismo ideológico será grande. Alckmin sempre teve uma militância histórica de combate ao PT e, especialmente, a Lula, a quem responsabilizou pelo mensalão, em 2005, e pelo petrolão, em 2014. Por isso, muitos classificam essa mudança, numa escala inédita até para a volúvel política nacional, como um mero casamento de conveniências. Os problemas vão aparecer durante a campanha. Circulam entre ex-aliados vídeos em que ele faz críticas contundentes a Lula por liderar o processo de corrupção no qual o PT mergulhou. Essas peças, certamente, serão usadas no horário eleitoral contra o petista. Também há os problemas na Justiça do ex-governador. Um executivo da Ecovias afirmou em delação recém-divulgada que Alckmin recebeu R$ 3 milhões em caixa 2 em suposto cartel entre concessionárias de rodovias paulistas — a Justiça Eleitoral arquivou o inquérito e o ex-governador nega. Essa acusação já provocou uma reviravolta na política paulista. Os petistas passaram mais de 20 anos atacando Alckmin e os tucanos por supostos desvios na gestão estadual. Agora, passaram a defender o ex-governador, como fez o deputado Paulo Teixeira. Lula não transparece preocupação. Pretende exibir na TV o que considera um “salvo conduto para o crime”, que foram as decisões judiciais em que ministros do STF anularam as sentenças da Lava Jato nas quais foi condenado.

Mais do que tudo, o cavalo de pau ideológico de Alckmin serviu para provocar uma cisão na centro-direita, especialmente no PSDB. O presidenciável tucano, João Doria, não quer polemizar com o político que o lançou na carreira pública, em 2016. Mas também não deixa passar em branco as incoerências do amigo. “A decisão de Alckmin de deixar o PSDB e se unir a Lula é uma questão de foro íntimo, mas eu jamais me associaria a um ladrão”, disse o governador paulista à ISTOÉ. E deixa claro que amigos, amigos, política à parte.“Se o ex-governador for realmente o vice de Lula, combaterei os dois na campanha e serei duríssimo nesse enfrentamento”, complementou.

Lula engendrou uma eficiente estratégia de solapar a terceira via. O petista estaria fazendo um jogo combinado com o PSD do ex-ministro Gilberto Kassab para dificultar o fortalecimento das candidaturas de Doria e de Sergio Moro (Podemos). Kassab foi um dos maiores incentivadores da desfiliação de Alckmin do PSDB e contava com ele no PSD. Mas o ex-tucano preferiu se aliar ao PSB. A tática agora é atrair outra estrela do ninho tucano: o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, lançando-o pelo PSD. A candidatura de Leite, definitivamente, dividiria os votos do campo centrista e colocaria Lula em situação confortável para enfrentar Bolsonaro, o oponente dos sonhos do petista.

Tópicos

Alckmin alckmin 2022 Alckmin vice de lula alckminpsd Arena Castelões bolsonarista ou bolsominion bolsonaristas arrependidos bolsonaristas arrependidos 2021 bolsonaristas bbb bolsonaristas famosos bolsonaristas idiotas bolsonaristas manifestação escolaridade de lula geraldo geraldo alckmin candidato Geraldo Alckmin e lula geraldo alckmin hoje geraldo alckmin idade geraldo alckmin jr Geraldo Alckminvice de lula idade da namorada do lula líderes políticos Lu Alckmin lula estudou até que série lula hoje lula idade lula namorada lula terminou o ensino médio lula vice de Alckmin O que é ideologia política de exemplos? O que é ser de esquerda ou de direita? O que é ser de extrema direita? O que é ser uma pessoa de esquerda? O que é uma pessoa de extrema esquerda? O que Lula fez no seu mandato? O que o PT fez de bom para o país? O que significa Bonoro? O que significa Jair Messias Bolsonaro? Onde mora João Doria? Onde nasceu Márcio França? Onde nasceu o governador Geraldo Alckmin? Onde nasceu o João Doria? Para qual partido de Geraldo Alckmin? poder360 é bolsonarista Quais os principais problemas que o governo Dilma enfrentou? Quais os tipos de ideologia política? Quais são os exemplos de ideologia? Quais são os programas sociais do governo PT? Qual a escolaridade do Jair Bolsonaro? Qual a especialidade de Geraldo Alckmin? Qual a formação de Geraldo Alckmin? Qual a idade do Lula atual? Qual a ideologia do Bolsonarismo? Qual a ideologia política no Brasil? Qual é a altura de Luiz Inácio Lula da Silva? Qual é o partido do Dória? Qual é o Partido do Lula? Qual é o partido do Márcio França? Qual é o significado do nome Jair? Qual é o significado do nome Messias? Qual era o partido do Bolsonaro? Qual foi o melhor período econômico do Brasil? Qual foi o presidente que mais fez pelo País? Qual o cargo de Lula no PT? Quantas vezes Geraldo Alckmin foi governador de SP? quantas vezes lula se candidatou a presidente Quantos anos Geraldo Alckmin foi governador? Quantos anos tem o Dória? Quantos filhos João Doria tem? Quantos títulos de doutor honoris causa tem o Lula? Quem é a atual esposa de Lula? Quem é de direita no Brasil? Quem é Sophia Alckmin? Quem era o governador de São Paulo em 1968? Quem são Bolsominions? Quem são os filhos de Geraldo Alckmin? Quem são os netos de Lula? sophia alckmin sophia alckmin idade