O Neopeleguismo

Nos anos 1980, a representação empresarial se deslocou das tradicionais confederações para entidades mais segmentadas. Daí, entidades como Anfavea, Abimaq, Unica, entre outras, ganharam proeminência em detrimento das confederações empresarias. No âmbito dos trabalhadores, ocorreu um movimento inverso: surgiram algumas poucas centrais sindicais que lutavam entre si pela hegemonia. A Central Única dos Trabalhadores imperou, por um bom tempo, até que a Força Sindical surgiu e, a partir daí, algumas outras.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Na atualidade, vemos a convergência de um movimento. As centrais sindicais perdem liderança e já não mobilizam, como antes, a sociedade e o seu próprio universo. Permitem que suas manifestações e mobilizações sejam contaminadas por vândalos e black blocs. O que resulta em críticas à sua representatividade.

Afinal, representam as centrais sindicais os interesses de trabalhadores ou de seus sistemas ideológicos e/ou clientelísticos? Parece não existir dúvida de que os trabalhadores são massa de manobra. Centrais sindicais nunca foram capazes de se mobilizar para um agenda de modernização das relações do trabalho e dinamizar a economia do País.

Mas não são apenas eles. O mesmo se dá no mundo empresarial.

As confederações empresariais atravessaram a maior crise econômica do País em triste omissão. Nada fizeram de útil. Nada foi proposto de concreto. Nunca se articularam para buscar uma agenda de mobilização e retomada. Colocam as expectativas no governo, pai de todos, que deveria resolver tudo. Bovinamente se acomodam em torno da tripé que impede o desenvolvimento do Brasil: juros altos, impostos altos e legislação trabalhista arcaica.

Um anônimo disse, certa vez, que a burocracia aumenta para atender os interesses do aumento da burocracia! E não pelo interesse da cidadania. O mesmo se dá no mundo sindical — de trabalhadores e empresários.

Os interesses do cidadão ficam a reboque do corporativismo da burocracia estatal e do neopeleguismo. Gastam mais energia em consigo do que em servir aos propósitos para os quais foram criadas. Como sempre, as vítimas são os trabalhadores e empresários que, compulsoriamente, são obrigados a financiar a festa para a qual não foram convidados.

Veja também

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.