O ministro da Casa Civil precisa conhecer melhor a história do Chile

Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil

(Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil )

De duas, uma: ou o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não conhece a história do Chile, ou a conhece muito bem e acha que regimes de exceção colocam a casa em ordem. A primeira hipótese seria melhor para sua biografia e a república brasileira. Mas parece que é a segunda que habita as suposições políticas do ministro. O Brasil carece de profundas reformas na área econômica, mas confundir tal necessidade com ditaduras sanguinolentas é no mínimo um absurdo. Disse Lorenzoni:

“No período Pinochet, o Chile teve que dar um banho de sangue. Triste. O sangue lavou as ruas do Chile, mas as bases macroeconômicas fixadas naquele governo… Já passaram oito governos de esquerda e nenhum mexeu nas bases macroeconômicas colocadas no Chile”.

Vale pôr as ideias no lugar.

Os militares chilenos romperam com a legalidade e rasgaram a Constituição do país em 1973, comandados pelo general Augusto José Ramón Pinochet Ugarte. Ele, o ditador Pinochet, bombardeou o Palácio de La Moneda e assim morreu o então presidente eleito democraticamente Salvador Allende. Na primeira hora Pinochet começou a promover o banho de sangue, prendendo adversários ideológicos (nada a ver com reformas econômicas) no Estádio Nacional. Artistas que zelavam pela democracia foram eliminados – no estádio, o famoso guitarrista Victor Jara teve suas mãos decepadas antes de ser morto.

Pinochet tomou para si o governo em 1990 e criou, também para si, um cargo de ditador vitalício para quando fosse escorraçado do poder.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

No foi o Chile que “teve que dar um banho de sangue”, foram os militares que usurparam o poder que promoveram uma carnificina. Sob o comando de Pinochet, a ditadura exilou cerca de duzentas mil pessoas e torturou milhares de outras. Estima-se que tenha matado mais de três mil oponentes do regime. Não há reforma econômica que justifique tudo isso.

É possível e é dever de quem está no governo brasileiro reformar e aprimorar a economia sem falar no “sangue que lavou as ruas do Chile”.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

Onyx Lorenzoni

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.