O lobo do homem

Depois de idas e vindas, a nota de 200, a sétima do Real, já está em circulação. Ao longo do ano, serão impressas 450 milhões delas. Até chegar às nossas mãos e bolsos, a super cédula percorreu um caminho pontilhado de barreiras, tal como os atletas de corrida com obstáculos. O cenário adverso, marcado pela baixa inflação e processo acentuado de digitalização, é inimigo da emissão de cédulas de expressivo valor. Acresce-se o fato de que notas de maior valor são aliadas de primeira hora da corrupção porque geram volume menor de dinheiro em espécie, facilitam a ocultação de recursos e dificultam seu rastreamento. Esse foi um dos principais motivos que levaram vários países a interromper a impressão de cédulas de alto valor.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

No entanto, para o Banco Central do Brasil, a impressão da cédula de 200 reais é motivada por circunstâncias incontornáveis, já que a pandemia estimulou uma demanda maior por papel-moeda em virtude de saques maiores para a formação de reservas e o pagamento em espécie aos beneficiários do auxílio emergencial de R$ 600, prática conhecida tecnicamente como entesouramento na economia. De acordo com essa lógica, a nota de 200 reais possibilitará saques de valores maiores com a emissão de menos papel. Os dados do IBGE dão substrato a essa justificativa: segundo o Instituto, o Brasil tinha em 2019 uma média de 45 milhões de pessoas desbancarizadas.

Mas, vejamos. Não são apenas a corrupção, o entesouramento, a baixa inflação que mantêm os holofotes direcionados para a nota de 200 reais. A mim me parece que a estampa, na cédula, do lobo-guará impõe-se como metáfora sombria do nosso momento político. Não pelo animal em si, já que ao contrário dos outros lobos reais e imaginários, o nosso lobo-guará é manso, inofensivo ao homem. O aspecto sombrio advém daquilo que a metáfora descortina duplamente: de um lado, a sentinela dos lobos do mercado que não dormem à espreita do Estado brasileiro, de outro, a inépcia da institucionalidade em estabelecer políticas que impeçam a extinção dos animais da nossa floresta. Não quero com isso desmerecer a iniciativa, fruto do voto popular. Deve-se lembrar que não é a primeira vez que o lobo-guará é exibido em nosso dinheiro (entre dezembro de 1993 e setembro de 1994, estampou a moeda de 100,00 cruzeiros reais). Todavia, considerando que as imagens impressas nas cédulas são sempre carregadas de simbolismos que espelham a moldura política de um país, a figuração do lobo-guará na nota de R$ 200 não deixa de evocar a sentença de Thomas Hobbes, “o homem é o lobo do homem”, numa atmosfera tão marcada pelo medo e pelo apetite de um capitalismo sem peias.

A cédula de R$ 200 impõe-se como metáfora sombria do nosso momento político

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.