Em Cartaz

O jazz à solta de Kenny Garrett

O mestre do sax-alto diz que vai tocar com seu quinteto músicas a um só tempo inovadoras e dançantes

Crédito: Marco Cantile/NurPhoto

BUSCA Kenny Garrett afirma que escreve música, mas que ela só ganha vida quando é tocada em grupo (Crédito: Marco Cantile/NurPhoto)

O jazzista americano Kenny Garrett, de 57 anos, é o mestre do sax-soprano de uma geração que atinge a maturidade após três décadas de acúmulo de conhecimentos. Garrett iniciou carreira em 1978 na orquestra de Duke Ellington, regida então pelo irmão do mito, Mercer Ellington. Em seguida foi sideman do baterista Art Blakey (1919-1990). Tornou-se conhecido ao tocar durante seis anos na banda do trompetista Miles Davis (1926-1991). Atingiu a fama quando liderou vários grupos a partir do primeiro álbum solo, “Introducing Kenny Garrett” (1984). Desde 1996, toca ao lado do pianista Chick Corea. Pela quinta vez, o Kenny Garrett Quintet se apresenta no Brasil. ”A base do concerto é o sexto disco do músico, “Do your Dance!” (2015). “Espero que os brasileiros dancem com a nossa música”, diz Garrett à ISTOÉ. “Porque o que fazemos não é só jazz, e sim música livre, baseada em muitas fontes.” Segundo Garrett, a música que o público vai dançar ainda não foi feita. “É sempre uma surpresa”, diz. “Escrevo a composição numa partitura ao piano, mas ela só surge no show a hora. Música é o instante.” Blue Note (RJ), 24 e 25/11. Teatro Bradesco (SP), 28/11.