Em Cartaz

“O irlandês” junta time de gênios

Saga mafiosa reúne pela primeira vez, em um filme, o diretor Martin Scorsese e os atores Robert De Niro e Al Pacino

Crédito: Divulgação

IRMÃOS O sindicalista Jimmy Hoffa (Al Pacino) e seu aliado Frank Sheeran (Robert de Niro) levados ao tribunal: caso real (Crédito: Divulgação)

São filhos de italianos, nova-iorquinos e contemporâneos, mas nunca tinham feito um filme juntos. No imaginário dos cinéfilos, porém, parecem estar unidos por algum vínculo espiritual. O diretor Martin Scorsese, 76, e os atores Al Pacino, 76, e Robert De Niro, 79, se uniram pela primeira vez no longuíssima-metragem “O irlandês”, de 209 minutos. A saga mafiosa, adaptada do livro homônimo de Charles Brandt, de 2004, versa sobre a vida do irlandês Frank Sheeran, capanga do sindicalista caminhoneiro Jimmy Hoffa. De Niro adorou livro, comprou os direitos de filmagem e a primazia de fazer o papel principal na produção da Netflix. Como sempre, convidou Martin Scorsese, com quem fez nove filmes, para rodarem um épico sobre a Máfia nos anos 1950 e 1960. Para viver Hoffa, sugeriu o velho amigo Al Pacino. Ambos trabalharam em “O poderoso chefão II” (1974) e em outros dois policiais menores. Receoso com a fama de intratável de Pacino, quis saber como era trabalhar com ele. “Al é um amor”, disse De Niro. A química foi perfeita. Afinal, são praticamente a mesma pessoa, assim como Joe Pesci e Harvey Keitel, que completam o rol de astros. Em cartaz desde 14/11 em 19 cinemas do Brasil e estreia mundialmente em 27/11 na Netflix.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Niko Tavernise

Um réquiem sindical

Quando a Netflix passou a produzir filmes, Martin Scorsese vaticinou o fim do cinema. Mas fez um trato para estrear “O irlandês” nas salas de exibição e, duas semanas depois, nos dispositivos digitais. O filme custou US$ 160 milhões, um recorde, gastos com efeitos especiais para rejuvenescer 40 anos atores anciãos. O resultado é uma epopeia às avessas, com grande elenco, sobre a queda da Máfia, a perda dos cassinos cubanos, o apoio a Kennedy e as execuções seriais dos anos 1960. Tudo envolto na fotografia fosca, com ares de época.

 

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea