O hormônio essencial

A pesar de não possuir nenhuma formação em medicina, sou um curioso sobre o assunto.

O cérebro, principalmente, me fascina tanto que sempre que posso me debruço na literatura especializada.

Foi numa dessas leituras que aprendi que na região do cérebro responsável pela fala, existe o hormônio mais importante de nosso corpo, cuja falta pode acarretar uma grave síndrome.

Um hormônio que não está presente no momento do nascimento, mas é fundamental que seja metabolizado desde os primeiros anos da infância.

Esse hormônio chama-se Noção.

Para produzir a quantidade mínima de Noção, necessária para uma vida saudável, nosso organismo se vale da glândula do Bom Senso, situada próxima ao hipotálamo.

Na maior parte dos indivíduos, a glândula do Bom Senso trabalha 24 horas por dia produzindo esse composto tão importante.

Infelizmente, alguns indivíduos nascem sem a glândula do Bom Senso, fato que os impede de produzir Noção.

O simples fato de Bolsonaro atacar uma das mais famosas artistas do Brasil já é uma amostra de sua falta de noção

Esta condição é agravada pelo fato da indústria farmacêutica não ter ainda conseguido sintetizar este hormônio.

E como é triste a vida de um sem Noção.

Sem se dar conta, o indivíduo fala o que passa por sua cabeça, sem filtro, o que constantemente o coloca em situações constrangedoras.

Recentes estudos demonstraram que a falta da glândula do Bom Senso tem forte conteúdo genético e não é raro ver pais e filhos sofrendo deste mesmo mal.

A carência de Noção torna-se um problema ainda mais grave porque o sujeito hipoNoçaonico não reconhece sua condição.

Apenas os que estão a sua volta percebem as consequências causadas por sua incapacidade de se expressar de forma adequada.
Você seguramente conhece alguém que sofre desse mal, porque as autoridades sanitárias registram que vivemos uma epidemia de falta de Noção.

Está comprovado, alias, que Brasília é um dos principais focos deste mal, e é de lá que vem o mais famoso sem Noção, claro que você sabe a quem me refiro.

Os exemplos de suas crises de falta de Noção são incontáveis e acompanham sua carreira.

Na semana que passou, por exemplo, resolveu atacar a cantora Anitta.

O simples fato de um político atacar uma das mais famosas artistas do Brasil, já é uma amostra de seu mal.

Mas foi o que aconteceu.

Em sua rotineira entrevista no cercadinho, o presidente afirmou que Anitta não entende nada de política.

— [Anitta] não sabe o que é poder Executivo…daí ela fala “não existe deputado municipal?” – e ri a valer.

Qual a razão desse ataque gratuito, senão um evidente surto?

Além disso, qual político com ambições de se reeleger e com a glândula do Bom Senso em pleno funcionamento atacaria, de graça, uma artista tão popular?

O que explicaria essa atitude senão a evidente falta de Bom Senso e Noção?

A consequência de sua fala veio logo em seguida.

Anitta, se valendo de sua imensa popularidade nas redes sociais, publicou um vídeo contendo uma resposta elegante e extremamente constrangedora para o presidente.

Nele, afirmou como é lamentável ter um presidente que ironiza a falta de conhecimento político dos cidadãos por ele governados.

Talvez sem conhecer a condição de sem Noção do presidente, Anitta continuou não poupando críticas.

Numa fala de pouco mais de 2 minutos, a cantora criticou o uso do Twitter, a produção de fake news, o fracasso do programa econômico do governo entre outros assuntos. Um vídeo que alternou sarcasmo com fina ironia.

Confesso que conheço pouco da cantora.

No entanto, após assistir sua resposta nas redes sociais, que ecoa o que pensa boa parte dos brasileiros, suspeito que a moça também sofra de uma condição bastante rara: o hiperNoçãonismo.


Sobre o autor

Mentor Muniz Neto, 51, é escritor. Mora em São Paulo com suas filhas Manuela, Olivia e Catarina e escreve crônicas do cotidiano que às vezes parecem realismo fantástico


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.