Comportamento

O gigantesco mundo geek

A multidão que correu para ver atrações do universo pop em evento realizado em São Paulo revela a consolidação de um mercado milionário

Crédito: Ariel Martini

COSPLAY Fã de games comemora vitória em concurso de fantasias (Crédito: Ariel Martini)

A cidade de São Paulo entrou no roteiro obrigatório da bilionária indústria do entretenimento. A Comic-Con Experience 2018, a CCXP18, ocorrida entre 6 e 9 de dezembro, se consagrou mais uma vez como o maior evento global de filmes, séries, games, quadrinhos, roupas e artigos colecionáveis da cultura pop. Uma ruidosa e entusiasmada multidão de 262 mil pessoas compareceu para desfrutar de atrações relacionadas aos seus personagens preferidos, promovendo uma festa teatral, tecnológica e espontânea.

Ao encontro dos fãs vieram algumas das maiores estrelas de Hollywood para apresentar trailers inéditos de séries e filmes e participar de entrevistas. Na edição deste ano apareceram por aqui Brie Larson, que em 2019 encarnará a heroína Capitã Marvel em um longa-metragem próprio e no próximo “Vingadores”. Também deu as caras Tom Holland, protagonista do novo “Homem-Aranha: Longe de Casa”. Famosa por comédias açucaradas, Sandra Bullock mudou de perfil. Ela divulgou a produção do Netflix “Caixa de Pássaros”, em que vive uma mãe protetora em futuro pós-apocalíptico. Nada mau para um evento que, em sua estreia, em 2014, teve como principal nome Mauricio de Sousa, criador da Turma da Mônica. “Todos os estúdios trouxeram conteúdos que ainda não haviam sido vistos em outros países”, afirmou Pierre Mantovani, da organizadora Omelete Company.

PÚBLICO GASTADOR

Constatar que o público geek brasileiro é numeroso foi uma descoberta valiosa. Geek é a gíria em inglês para aquele que, jovem ou nem tanto, gosta com intensidade de temas ligados à fantasia e à ficção em todos os formatos, da literatura à realidade virtual. Trata-se de um público que gosta de consumir. De acordo com os organizadores, o faturamento pode ter ultrapassado os R$ 50 milhões. O gasto médio por pessoa foi de R$ 300. Um dos fãs gastou R$ 26 mil em um quadro autografado por Stan Lee, o criador da Marvel falecido em novembro. O impacto econômico em São Paulo foi de estimados R$ 100 milhões, com cerca de 130 mil turistas. É apenas um quinto do que foi despejado este ano em San Diego, nos EUA, que desde 1970 sedia a mais tradicional Comic-Con do mundo. Em público, porém, a CCXP brasileira ultrapassou a de San Diego em 2016.

MULTIDÃO Os corredores lotados do centro de eventos que recebeu a CCXP (Crédito:Suamy Beydoun/AGIF/Folhapress)

 

Tópicos

CCXP18 Comic Con geek