Brasileiros do Ano 2020

O exército de um homem só

Com mais de 60 milhões de seguidores nas mídias sociais, Felipe Neto é hoje uma das vozes mais poderosas do País em defesa da democracia, contra as fake news e a ideologia do ódio. Foi considerado uma das 100 personalidades mais influentes do mundo pela revista Time

Crédito: Wenderson Araujo

BRASILEIROS DO ANO – COMUNICAÇÃO

O youtuber e empresário Felipe Neto, de 32 anos, é um exército de um homem só. Não que não tenha gente gabaritada ao seu lado lhe assessorando e dando assistência. Mas sua voz, hoje, é uma das mais poderosas do País em favor da consciência digital e contra as fake news, a ideologia do ódio e a vontade autoritária do governo federal. E o que ele fala tem grande repercussão. Seu discurso simples e juvenil vem seduzindo as mentes e conquistando gente de todas as idades desde que ele publicou o primeiro vídeo no YouTube, há 10 anos. Do alto de sua tribuna digital, turbinada agora por uma audiência de 40.8 milhões de inscritos no YouTube, 12,7 milhões de seguidores no Twitter e mais 13,2 milhões no Instagram, ele influencia gente de todas as idades no Brasil e no mundo com postagens ora divertidas, ora críticas e sempre perspicazes. Ele se declara, com humildade, como um criador de vídeos de entretenimento, mas é incrível o prestígio que conquistou até agora. Neto transita de tutoriais do jogo Minecraft para discussões políticas de alto nível. E, atualmente, é um desafeto preferencial do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos.

Há três meses, depois de ser capa da ISTOÉ como uma das principais jovens lideranças globais da atualidade, ao lado de Greta Thunberg e de Malala Yousafzai, Nobel da Paz em 2014, Neto foi considerado uma das 100 personalidades mais influentes do mundo pela revista Time. Além dele, de brasileiro na lista, só tinha Bolsonaro. “Sou apenas um criador de vídeos de entretenimento que dá sua opinião pessoal no Twitter sobre o que acontece ao meu redor”, afirma. “Não tenho, nem nunca tive, qualquer pretensão política ou interesse pessoal nesse sentido. Acho que o único motivo de ter ido parar nessa lista da Time foi porque a maioria dos outros artistas optou pelo silêncio, o que acabou me deixando numa situação isolada e de destaque, algo que nunca quis”. Segundo ele, sua visibilidade fez com que virasse o maior alvo do bolsonarismo. “Esse ódio e as campanhas feitas contra mim acabaram me fortalecendo”, diz.

Como evolução natural de suas atividades, Neto prepara agora a criação de uma organização sem fins lucrativos chamada Instituto Vero, que se dedicará a ampliar a educação digital no Brasil e lutar contra os crimes de desinformação e articulação do ódio. Ele diz que é uma forma a mais de devolver para a sociedade aquilo que ela lhe permitiu construir de patrimônio. “Eu luto por valores básicos de dignidade humana, pela ciência, pelo que dizem os especialistas. Eu luto contra corruptos, contra esquemas, contra crimes. Isso tudo incomoda o atual governo. Acho que fica bem claro o porquê”, afirma.

Felipe Neto
Guerreiro da democracia

Foi em setembro do ano passado que o youtuber Felipe Neto deu um grande salto de qualidade na sua ação política e mostrou a que veio. Na ocasião, ele comprou 14 mil livros de temática LGBTI e distribuiu gratuitamente para visitantes da Bienal do Livro do Rio de Janeiro. Tratou-se de uma resposta à tentativa da Prefeitura do Rio de censurar a revista em quadrinhos “Vingadores: A Cruzada das Crianças”, da Marvel, que exibia um beijo gay. “Acho que foi uma ação importante para dar um recado claro ao prefeito da época, que foi o pior prefeito da história do Rio, Marcelo Crivella”, explica Neto. “O recado era: nós não vamos aceitar imposição de valores religiosos morais em um estado laico para censurar obras artísticas”. Desde então, ele tem mantido a mesma coerência e defendido os direitos das minorias e as liberdades democráticas com afinco. Também está na sua pauta, a luta contra a censura e contra os preconceitos moralistas.

Leia mais:

A reinvenção de um gestor
O microfone do profeta
Empatia por curar pessoas
Luta pela ciência