PANDEMIA * 2020

O ENEM da desigualdade

Apesar de 6,5 milhões de alunos da rede pública não terem como se preparar online, o ministro da Educação Abraham Weintraub não quer discutir o adiamento do ENEM

Crédito: Bruno Santos; Mateus Bonomi/Agif

SENSIBILIDADE ZERO Professor Daniel Cara (à esq.) critica decisão de Weintraub que mantém data da prova (Crédito: Bruno Santos; Mateus Bonomi/Agif)

O educador baiano Anísio Teixeira (1900-1971) se destacou pela luta por um sistema educacional que pudesse atender de forma equânime todos os brasileiros. Como diretor-geral do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), teve uma atuação tão marcante que seu nome foi literalmente incorporado — desde 2001, o órgão se chama INEP Anísio Teixeira. Vinculada ao ministério da Educação, a entidade organiza o Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM. A igualdade de oportunidades sonhada por Anísio Teixeira, no entanto, está ameaçada: não apenas pelo coronavírus, mas pela intransigência do próprio ministro da Educação.

A nova realidade imposta pela pandemia exigiu a interrupção das aulas presenciais nas redes estaduais, afetando cerca de 87,5% dos estudantes do ensino médio no Brasil. Desse total, 6,5 milhões de alunos não têm sequer acesso à internet, o que impede uma preparação adequada para as provas. O ENEM está marcado para o período de 1 a 8 de novembro, mas um grupo de 145 entidades que representam universidades públicas e privadas, movimentos estudantis, associações de professores, organizações da sociedade civil e servidores do INEP exigem o adiamento dos exames. Para Daniel Cara, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) e membro da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, os alunos da rede pública podem ter seu desempenho prejudicado. “Esse é um momento crucial. Emocionalmente, o aluno se prepara melhor no último ano”, afirma.

O ENEM é a principal forma de acesso ao ensino superior no País. Se o calendário for mantido, pode haver uma redução significativa no número de inscrições, além de abandono de provas e diminuição da qualidade na média final. “A falta de mediação do professor no processo de aprendizado, e na apropriação de cultura, é prejudicial aos candidatos”, diz Cara.

Intransigência

O ministro Abraham Weintraub descarta qualquer alteração no calendário. “O ENEM não foi feito para corrigir injustiças, mas para selecionar”, afirmou Weintraub, durante uma reunião com senadores. “Educação não é privilégio. O governo não pode negar a realidade. O calendário tem que ser alterado”, defende Daniel Cara.

Veja também

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel