Edição nº2544 21/09 Ver edições anteriores

O eleitotario

O Brasil é um País que desafia as Ciências Exatas. E Humanas.

No Brasil, estatísticas e percentuais que pareceriam óbvios, surpreendem.

Um estudo recente, por exemplo, mostrou que 11% do eleitorado apenas “ouviu falar” de Lula.

Se considerarmos que somos 150 milhões de eleitores, significa que nada menos que 16 milhões nunca ouviram falar num sujeito que foi presidente por dois mandatos consecutivos e que, nos últimos anos, ocupa a mídia diariamente.

O que fazem, onde vivem, o que comem esses eleitores seria um interessante tema para o Globo Repórter.

Mas talvez o maior exemplo do exército desses peculiares brasileiros foi revelado em recente Pesquisa do Datafolha.

São os eleitores que declaram que votarão no Lula, mas, se ele não puder concorrer, já têm uma opção: Bolsonaro.

O Datafolha deu a essa aberração ideológica o nome de “voto Lulanaro” ou “Bolsolula”, escolha o que você preferir.

Segundo o instituto, 6% dos que afirmam votar em Lula, votarão em Bolsonaro caso o petista não consiga mexer seus pauzinhos corretamente e acabe fora da disputa.

Do lado do Bolsonaro a situação é ainda pior: 13% dos Bolsominions se metamorfoseariam em Lulaminions caso Jair Bolsonaro não fosse candidato.

Os números absolutos, sempre são mais chocantes:

Considerando que na última pesquisa Datafolha Lula apareceu com 39% das intenções de voto, o petista tem atualmente 58,5 milhões de eleitores. Se calcularmos 6% que também têm preferência por Bolsonaro, são 3,5 milhões de Lulanaros.

Bolsonaro teve 19% das intenções. No seu caso seriam 4 milhões de Bolsolulas.

Difícil imaginar o que querem esses mais de 7 milhões de brasileiros.

E pior.

Se existem essas improváveis preferências, imagine quantas outras não devam existir.

Para atender as expectativas desses eleitores, precisamos de novos candidatos.

Sugiro alguns.

CABO BOULOS Co-fundador do MSC, Movimento dos Sem Cristo, promete ocupar todos os prédios públicos abandonados, transformando-os em igrejas evangélicas, em nome de Jesus.

MARINARO É um candidato trans.

Expressa seu racismo e homofobia sempre com uma vozinha doce e inofensiva.

Afirmou que em seu governo não existirá mais nenhum quilombola gay no País.

CIRULA Através de um projeto polêmico e populista, pretende tirar milhões de brasileiros do SPC e da prisão em segunda instância.

ALKIMEDO Candidato preferido do setor empresarial.

Um dos pais da privatização, promete reprivatizar todas as empresas que já foram privatizadas. Em seu governo, os ministros não serão políticos. Serão empresários. E os empresários, por sua vez, serão políticos.

BOURELLES É candidato que representa os banqueiros comunistas.

Vai fazer o Banco Central emprestar dinheiro a juros zero e quando o Banco estiver a ponto de falir, fará uma greve para resolver o problema.

MARINELLES Em seu Governo não haverá inflação nas tabas.

Sua candidatura está baseada no fim do desemprego. Indígena.

CIHADAD Investirá na infraestrutura de transporte criando ciclofaixas ligando os mais remotos pontos do País por onde ocorrerá o transporte de grãos e matéria-prima. Por bicicleta.

E claro, não podemos esquecer do original, que deu origem à série:

BOLSOLULA ou LULANARO Sua plataforma baseia-se no Mensalão Hetero, uma mesada para atender as necessidades dos heterossexuais.

Seu plano de governo trás projetos sociais sempre aliados ao porte de armas.

Com o Bolsa Revólver, por exemplo, todo desempregado que provar que seus filhos estão matriculados no Colégio Militar, ganharão um revólver.

Claro que, se mesmo assim existirem eleitores insatisfeitos, existe sempre a opção de não escolher ninguém. É só votar branulo.


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.