O coronavoucher não é de Bolsonaro

Crédito: AFP

(Crédito: AFP)

A oposição política a Jair Bolsonaro está dormindo no ponto. Ou, como dizem meus filhos, brisando. Deixa que o presidente reivindique para si a paternidade do coronavoucher de 600 reais, sem contraditá-lo com a ênfase necessária.

Não basta tocar no assunto de passagem, como fez o presidente da Câmara Rodrigo Maia em sua live com a IstoÉ, na semana passada.

É preciso método, ou a negligência vai cobrar seu preço lá na frente.

Nesta quarta-feira, Bolsonaro falou mais uma vez em frente ao Palácio do Alvorada: “Se não fossem os 600 reais, o Brasil tinha entrado em crise. Os 38 milhões de informais não tinham o que comer mais. O povo vai se conscientizando do que está acontecendo no Brasil.”

Os seiscentos reais não são fruto da preocupação de Bolsonaro com os pobres e com os informais. Não são. Não.

Seu governo demorou bastante para entender que gastar dinheiro público numa pandemia não é a mesma coisa que transformar a irresponsabilidade fiscal em política permanente, como fez Dilma Rousseff. Só com muito ranger de dentes, Bolsonaro e Paulo Guedes concordaram em liberar 200 reais para a ralé.

Coube ao Congresso dizer que o valor era insuficiente e articular um plano com ajuda emergencial de 500 reais. Foi quando a ficha caiu no Planalto. Depois de alguma negociação, chegou-se ao montante que vem sendo efetivamente pago.

Tem mais. Se está tão preocupado com as consequências da paralisação econômica sobre a população, por que o presidente não abriu o bico até agora para falar do represamento do crédito para empreendedores?

Alguém o viu despejar palavrões sobre a equipe econômica, naquela reunião de 22 de abril, cobrando urgência urgentíssima na solução desse problema, que já era, então, evidente? Alguém o viu tocar no assunto depois dessa data, mostrando que cobra ação de seus auxiliares, que não está alheio ao drama?

Os adversários não devem negar uma qualidade ao presidente: como todo militar, ele é disciplinado. Quando o filho Carlos ou seja lá quem for que o aconselha nesse campo traça uma estratégia de comunicação que o presidente aprova, ele não se desvia dela, nem para melhorá-la. Ele repete as mensagens sem cessar, o que é importante no discurso político.

A expectativa de Bolsonaro é apresentar-se, dentro de alguns meses, como o único que se ocupou do drama econômico acarretado pela pandemia. Mas, para a estratégia dar certo, ele terá de mostrar que agiu, e não só previu o óbvio.

Se ninguém disser nada, Bolsonaro vai continuar se apropriando de méritos que não lhe pertencem.

Então vamos lá: o coronavoucher não é de Bolsonaro.

 

Veja também

+ Pronampe: pedidos ao Sicoob somam R$ 500 mi em 1 dia, 41% do limite
+ Leilão tem Camaro por R$ 72 mil e Versa por R$ 22 mil
+ Gafanhotos: Bahia enfrenta nuvem de insetos
+ A história da Rural e da picape F-75, avós dos SUVs brasileiros
+ 5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
+ Hackers brasileiros roubaram dados de clientes em 12 bancos
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.