Cultura

O certo e o errado num caso exemplar de racismo


O caso se tornou tão célebre que virou emblemático de um tipo de comportamento autoritário e racista da polícia militar em relação a jovens negros. Em 1987, em Porto Alegre, houve um assalto com tiroteio.

Um dos assaltantes foi preso e levado para o carro da Brigada Militar – um fusca. Um monte de gente se aglomerou para ver o que ocorria, inclusive um jovem negro, que sofria de epilepsia. Ele sofreu um ataque, caiu ao solo, os policiais o jogaram dentro do carro, não sem antes o cobrirem de socos. Ele chegou morto a tiros no hospital. Foi justiciado no caminho, mas a ação foi documentada por um repórter fotográfico.

Duas jovens negras – a diretora Camila de Moraes e a produtora Mariani Ferreira – demoraram oito anos para contar essa história no documentário O Caso do Homem Errado. O motivo – nenhuma empresa queria apoiar um filme sobre racismo e violência. O título ‘homem errado’ é porque o personagem, Júlio César, era trabalhador. E se fosse assaltante? Seria certo executá-lo? O filme é forte, política e esteticamente. Um dos melhores do ano.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Saiba mais
+ Homem acusado de matar a mãe e a tia é retirado de audiência por miar
+ Receita fácil de cupcakes para comemorar o Halloween
+ As 20 Picapes mais vendidas em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Sprinter vira motorhome completo; conheça o modelo
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio