O Carrefour da morte

O Carrefour da morte

Há um conto de Jorge Luís Borges, “A trama”, que é crônica anunciada da tragédia do homem negro espancado e morto num supermercado da zona norte de Porto Alegre. Não era ainda dia da Consciência Negra, mas era da supremacia branca. Para João Alberto Silveira Freitas era só dia de compra, mas o Carrefour era da morte.

Na Trama de Borges, como no pátio do supermercado lá do Sul, para que seu horror fosse perfeito, João Alberto Silveira Freitas, acossado ao pé de uma mulher de branco que filmava a cena numa dança inquieta de quem aplaude  gladiadores, pelos impacientes punhos dos guardas militares que o deviam proteger, descobre, entre os rostos e os socos, o daquele PM temporário que o havia de matar.

Como na Trama de Borges, João Alberto Silveira Freitas já não se defende, ele só grita: “Milena me ajuda”, mas são só indistintos monossílabos de dor aflita, que não são Shakespeare nem Quevedo, são apenas pânico e medo, resposta pífia aos socos enlouquecidos dos seus algozes.

Como ao destino agradam as variantes, na véspera ocasional do Dia da Consciência Negra que, apesar de uma lei estadual o determinar feriado em todos os municípios gaúchos, o Governo do Estado afirma não se configurar como um feriado estadual.

Como ao destino agradam as simetrias, ao cair, outro gaúcho, desta vez brasileiro, João Alberto Silveira Freitas, talvez haja reconhecido o rosto de uma das três pessoas que o ladeiam e agridem até à morte sem qualquer motivo justificável e aceita, sem poder fugir, a violência com que os brancos — curiosamente vestindo de negro — lhe arrebentam da face.

João Alberto Silveira Freitas continua gritando preso ao chão, sem saber ainda que vinha próxima a morte que o haveria de levar. Como na Trama de Borges, os guardas o matam para que, mais uma vez, se repita a cena.

Nenhum homem bom, de qualquer cor ou credo, consegue deixar de exclamar, com dor e desatino, assistindo com mansa reprovação e lenta surpresa (e também estas palavras devem ser ouvidas e não lidas), ao vídeo que internet espalhou pelo mundo, a mesma frase de vinte século atrás: Pero Che!

Confira o trecho do livro:

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Idoso morre após dormir ao volante e capotar veículo em Douradoquara; neto ficou ferido
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.