Edição nº2594 13/09 Ver edições anteriores

O camelô do nióbio

Enquanto o mundo pega fogo, o presidente Jair Bolsonaro promove bijuterias de nióbio em seus vídeos. É incrível essa obsessão do presidente com o metal. Desde Enéas Carneiro não se via um político tão preocupado com o assunto. Para Bolsonaro, que atua como uma espécie de camelô globalizado, o nióbio pode ser a solução para nossos problemas econômicos, um caminho para a salvação da pátria. Seu potencial é tamanho que podemos sonhar no futuro com um Vale do Nióbio, como o Vale do Silício americano. Quem ouve Bolsonaro emocionado falando desse material reluzente, começa a pensar que vivemos nas trevas da ignorância e menosprezamos nossas riquezas ocultas. Para ele, estamos deitados num berço esplêndido de minério e não aproveitamos a nossa fartura. Bolsonaro vê o nióbio como o novo ouro.

Na sua viagem ao Japão para a reunião do G20, Bolsonaro fez uma live em um hotel em Osaka, ladeado pelo ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, e pelo secretário-geral do Itamaraty, Otávio Brandelli, na qual exibiu, orgulhoso, um cordão de nióbio de US$ 1 mil para os espectadores. Mostrou também uma colher, um garfo e um pingente banhados pelo metal, cada peça comprada por US$ 150 no Japão. “Temos aqui um cordãozinho. Ele é azul, mas tem de várias cores, de acordo com a têmpera do nióbio”, propagandeou. “A vantagem disso, em relação ao ouro, primeiro são as cores, que variam, e ninguém tem reação alérgica a nióbio. Alguns têm a ouro. Às vezes a mãe põe um brinquinho na orelha da menina. Menina, para deixar bem claro. E tem reação. Disso aqui, não tem (reação)”.

Que bom seria se o nióbio usado em bijuterias fosse capaz de nos livrar das nossas mazelas. Trata-se realmente de um mineral importante, mas longe de ser insubstituível, como o presidente quer fazer crer — há vários metais concorrentes, como o vanádio e o tungstênio. Além disso, embora seja valioso, vale muito menos do que o ouro, tem um mercado limitado e a ampliação de seu uso não passa de uma esperança, além de envolver investimentos bilionários. Embora neste momento a produção do metal esteja concentrada no Brasil (o País explora 98,2% das reservas ativas), existem outras reservas identificadas em várias partes do mundo. Ou Bolsonaro sabe de alguma coisa que não sabemos ou essa história do nióbio é apenas mais um exagero ou uma fantasia do presidente. O negócio representa 1% das exportações brasileiras de minério. E não há sinais de uma explosão do mercado do metal. A não ser, é claro, que surja uma febre mundial por correntinhas, pingentes, talheres e outras bugigangas de nióbio.

O metal representa 1% das nossas exportações minerais. A não ser que o presidente saiba de algo que não sabemos, o vídeo feito no Japão é fruto de uma fantasia


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.