O avesso do avesso

Crédito: Divulgação

(Crédito: Divulgação)

Antes confiar era coisa de pele. Quando a gente encontrava alguém, aquele primeiro olhar era determinante para o futuro da relação. Se não tivesse boa energia nada ia acontecer, mas se desse certo, tudo podia rolar. Negócio ou casamento. Mas, e agora? Como vai ser?

Irritação, calafrios e medo são coisas que a gente sente quando está fisicamente perto de alguém. À distância, podemos até sentir desconforto, mas aquele efeito pânico-terror-medo-esgar-Jack-Nicholson-shining não é muito provável que aconteça em vídeo conferências. Mas por outro lado, o cheirinho bom, a graça no olhar, a sedução dos gestos e o calor da voz, também não abundam em webinars.

Se as sensações físicas, que tanto contribuem para a criação dessas perceções estão a diminuir drasticamente entre os seres humanos, será que alguma coisa nova as vem substituir? Ou vamos parar de confiar uns nos outros?

No imediato, aquelas pessoas que sempre fizeram das relações humanas (e do networking) a sua profissão, levam vantagem. Como conhecem muitas pessoas em muitos lugares vão ser chamadas a validar perante terceiros a segurança necessária para começar novas relações. São uma espécie de avalistas para a confiança.

Mas isto, que para nós é novo, para os mais jovens — abaixo dos 25 anos — já é o normal. Para eles já não há diferença nenhuma entre jogar à bola online, ou jogar à bola no pátio da escola. Eles gostam e confiam uns nos outros por causa do que partilham e não por causa do sítio onde estão.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

A confiança entre os jovens é maior do que serem apenas colegas de jogo, eles partilham pontos de vista comuns sobre muitas coisas da “vida real”, que aumentam essa confiança. A razão da sua amizade é simultaneamente a nossa esperança. No mundo deles não há países, há apenas cumplicidade.

No futuro próximo, as relações de confiança vão criar-se sem proximidade física. A importância da linguagem corporal vai ser substituída pela criação e desenvolvimento de técnicas de relacionamento por áudio e vídeo. Estão vão substituir aquele aperto de mão que durante muitos séculos selava amizades.

No final tudo vai mudar para que a confiança seja a mesma. Se a gente pensar bem, a confiança no pós-Covid vai acontecer como aquela fala do Caetano sobre quem muda de vida chegando em São Paulo. Quem vem de outro sonho feliz, aprende depressa a chamar-te de realidade, porque é o avesso do avesso do avesso do avesso.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.