Em Cartaz

O acervo digital de Sérgio Ricardo

Crédito: Divulgação

No Festival da Música Brasileira, em 1967, Sérgio Ricardo foi vaiado enquanto apresentava “Beto Bom de Bola”, canção inspirada em Garrincha. O músico não teve dúvida: quebrou o violão e o atirou na plateia. Esse e outros episódios da vida de um dos mais versáteis artistas brasileiros estão eternizados no memorial “Sérgio Ricardo — Memória Viva” (sergioricardo.com), site com textos, fotos e conteúdo multimídia. O artista morreu no ano passado aos 88 anos e deixou sua marca não apenas na música, mas no cinema e nas artes visuais. Além de mestre da Bossa Nova, compôs as trilhas sonoras de “Deus e o Diabo na Terra do Sol” e “Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro”, clássicos de Gláuber Rocha, e dirigiu filmes como “Esse Mundo é Meu” (1963) e “A Noite do Espantalho” (1974).

Veja também
+ Dublê de 28 anos morre ao tentar recorde com manobra de moto
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago