Esportes

Nuzman cobra COI para Brasil receber bronze herdado no revezamento em Pequim-2008

A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) divulgou nesta quinta-feira uma carta, enviada por Carlos Arthur Nuzman ao Comitê Olímpico Internacional (COI), na qual o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) cobra a entrega da medalha de bronze que as atletas da equipe brasileira do revezamento 4x100m dos Jogos de Pequim-2008 herdaram devido a um caso de doping que envolveu uma atleta da Rússia. O time russo então foi campeão da prova na competição realizada na China.

O quarteto do Brasil terminou aquela final em quarto lugar e, com a desclassificação da equipe russa, herdou a medalha de bronze conquistada na pista pela equipe da Nigéria. Assim, as nigerianas consequentemente ficaram com a prata e a Bélgica, segunda colocada, com o ouro.

A atleta flagrada no teste antidoping foi Yulia Chermoshanskaya, que acabou testando positivo para duas substâncias proibidas em reanálises de exames refeitos com as amostras do material colhido em Pequim-2008. Estas reanálises foram realizadas na esteira da polêmica envolvendo o grande escândalo de doping que abalou o esporte da Rússia e tirou toda a equipe de atletismo do país da Olimpíada do Rio.

As substâncias proibidas encontradas nos reexames foram estanozolol e turinabol e, como resultado, os resultados de todo o time russo no revezamento 4x100m dos Jogos de Pequim foram cancelados, assim como a entidade obrigou as russas a devolverem suas medalhas de ouro.

Quarto colocado na pista na Olimpíada realizada na China, o Brasil contou com uma equipe formada por Rosângela Santos, Thaissa Presti, Lucimar Moura e Rosemar Coelho. E, na carta enviada na última quarta-feira, Nuzman indaga ao COI o seguinte: “Considerando que, naquela ocasião, a equipe feminina do Brasil ficou em quarto lugar na mesma competição, gostaríamos de saber quando as atletas do Brasil irão receber suas medalhas de bronze, pins e diplomas correspondentes (por terem herdado a terceira colocação)”.

A punição à equipe russa no revezamento 4x100m de Pequim-2008 foi anunciada pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) apenas no último dia 16 de agosto, em meio à disputa dos Jogos Olímpicos do Rio.

A opção do COI de manter as amostras de exames por dez anos tem como objetivo, por sua vez, permitir que a ciência avance e, assim, consiga detectar substâncias que, em 2008, conseguiam driblar os controles antidoping.

Veja também

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ 26 curiosidades sobre a Porsche
+ 10 coisas que os pais fazem em público que envergonham os filhos
+ Ouça qual é o som da Via Láctea segundo a Nasa
+ Marca deixa para trás Toyota, Porsche e Audi, em ranking de carros mais confiáveis de 2020
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel