Esportes

Novo jogador do OM, Luís Henrique se despede do Botafogo: ‘Até logo’

Por rede social, atacante, novo camisa 11 do Olympique de Marselha, agradeceu jogadores e funcionários do clube de General Severiano

Novo jogador do OM, Luís Henrique se despede do Botafogo: ‘Até logo’

Luís Henrique já é o novo camisa 11 do Olympique de Marselha, mas fez questão de não esquecer as raízes. Nesta sexta-feira, após assinar com o clube francês, equipe que vai defender pelas próximas cinco temporadas, o atacante de 19 anos se despediu do Botafogo.

Por meio do Instagram, o atacante fez uma publicação agradecendo o clube que o revelou. Essa foi a maior venda da história do Botafogo, avaliada em 12 milhões de euros (cerca de 75 milhões de reais, na cotação atual).

– A despedida nunca é fácil mas o que fica no meu peito é um sentimento de gratidão. O Botafogo me abriu as portas, me formou como jogador e cidadão e me ajudou a realizar o sonho de jogar em um grande time profissional e conhecer grandes jogadores! Obrigado a todos funcionários e jogadores que me acolheram muito bem desde minha chegada ao clube. Obrigado aos torcedores por todo apoio de sempre. Levarei esse clube no coração. Tenham a certeza que sempre dei e fiz o melhor que pude dentro de campo. Até logo meu Botafogo – escreveu.

Luís Henrique se despediu do Botafogo com 21 partidas disputadas. O atacante era o líder de assistências do Alvinegro na atual temporada, com cinco passes para gol.

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar