Em Cartaz

Novo álbum de Dylan é uma viagem ao passado

“Rough and Rowdy Ways” traz Bob Dylan dividido entre os momentos de glória e a reflexão sobre a passagem do tempo

Crédito: Divulgação

NOSTALGIA Dylan e sua máquina do tempo: letras trazem referências a episódios dos anos 1960 (Crédito: Divulgação)

“Hoje, amanhã e ontem também/As flores estão morrendo/Como acontece com todas as coisas”. A frase trágica e bela marca a abertura de “Rough and Rowdy Ways”, novo álbum de Bob Dylan e o primeiro de canções inéditas desde “Tempest”, de 2012.

É também sua primeira coleção de versos após ter recebido o prêmio Nobel de Literatura, em 2016. Versos ou letras? Desde seu primeiro álbum, em 1962, Dylan sempre foi muito mais poeta do que músico. A música é, na verdade, um veículo para disseminar suas ideias e mensagens poderosas.

“Eu sou um homem de contradições / Eu sou um homem de muitos humores / Eu contenho multidões”, canta um dos “vários Dylans”, citando o escritor americano Walt Whitman. Aos 79 anos, o artista faz uma profunda reflexão sobre a vida e a morte. Entre os músicos, é o maior de todos os poetas. Emocionalmente, porém, parece preso a uma época específica do passado.

A maior prova disso é “Murder Most Foul”, épico de 17 minutos em que narra o dia em que o presidente John F. Kennedy foi assassinado.

Por que voltar hoje a 22 de novembro de 1963? Dylan está longe de ser um alienado, como prova entrevista recente ao “The New York Times” em que comenta notícias atuais, inclusive o assassinato de George Floyd. Mas seu coração parece dividido entre dois tempos: o existencial, onde a realidade o prepara para a proximidade da morte; e o artístico, em que ainda curte a nostalgia dos anos 1960. É surpreendente, mas essa é primeira vez em que Dylan chega ao topo das paradas nos EUA. Até porque, musicalmente, “Rough and Rowdy Ways” não traz novidades: muitas baladas, alguns blues e rocks.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Em “Mother of Muses”, Dylan canta “eu já vivi muito além da minha vida”. De jeito nenhum: mesmo com suas cordas vocais cada vez mais roucas, Dylan ainda é a voz mais importante do rock.

 

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Modelo e atriz italiana paga promessa e posta foto ‘só de máscara’ após vitória da Lazio
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel