Comportamento

Nova ponte de Gênova é reaberta ao público dois anos após tragédia

Nova ponte de Gênova é reaberta ao público dois anos após tragédia

Aviões da patrulha acrobática do exército aéreo italiano sobrevoam a ponte inaugurada em Gênova - AFP

A nova ponte de Gênova, inaugurada na segunda-feira com grande pompa dois anos após um trágico desabamento, foi aberta nesta terça (4) à noite para circulação, embora alguns críticos acreditem que as medidas tomadas para a renovação da infraestrutura da construção não sejam suficientes.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Os primeiros veículos com jornalistas, entre eles da AFP, cruzaram pouco depois das 20h00 locais (17h00 horário de Brasília) a elegante estrutura de metal, cerca de dois anos após a ponte desabar durante a época de chuvas, uma tragédia que resultou na morte de 43 pessoas.

Na segunda-feira, aviões da patrulha acrobática da aeronáutica espalharam fumaça com as cores da bandeira italiana e sobrevoaram a ponte no momento em que o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, cortou a faixa inaugural no final da tarde.

“São 43 estrelas a brilhar bem alto todas as noites”, disse Conte ao prestar homenagem às vítimas, cujos nomes foram lidos em voz alta, mas sem a presença de familiares, que se recusaram em participar da cerimônia.

– “Dor e orgulho” –

A nova ponte foi projetada pelo arquiteto Renzo Piano, autor, entre outras obras do Centro Pompidou e do novo Palácio de Justiça de Paris, da Fundação Botin de Santander (norte da Espanha) e da Torre The Shard, em Londres.

Em 14 de agosto de 2018, sob forte chuva, a ponte Morandi, um dos eixos essenciais para o comércio com a Europa e para viagens turísticas, desabou, arrastando dezenas de veículos.

Desde então, a Itália, onde a construção de obras públicas tende a ser demorada, acelerou o passo e terminou em tempo recorde a renovação da ponte.

O último trecho da ponte, de aproximadamente 1 km, foi concluído em final de abril. Em seguida, foram feitos os trabalhos de acabamento e os testes de segurança.

Há cerca de dez dias, foi comprovada a solidez da nova ponte com a passagem de 56 caminhões, que juntos pesavam 2.500 toneladas.

– “Filha de uma tragédia” –

A ponte foi construída por várias empresas italianas e consiste de uma estrutura branca com um formato que lembra a parte inferior de um barco, uma homenagem à história marítima de Gênova.

“É uma ponte que faz um trabalho silencioso, já que une os dois lados de um vale; é também uma ponte urbana, já que o vale se encontra em meio a uma cidade, mas também é filha de uma tragédia”, comentou o arquiteta Renzo Piano em declarações recentes.

A tragédia resultou em uma dura batalha judicial – ainda em andamento – na qual as famílias acusam principalmente a empresa de manutenção, uma subsidiária do grupo Atlantia, de propriedade da família Benetton, a maior concessionária de rodovias da Itália.

Após uma longa queda de braço com Roma, os Benetton aceitaram há duas semanas renunciar à concessão das rodovias italianas.

A investigação preliminar deve ser concluída em outubro e o julgamento está previsto para começar no início do ano que vem, afirmou o representante dos familiares das vítimas.

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea