Nossos problemas

Com todos os problemas que temos em nosso Estado – corporativismo, incompetência pública, intervencionismo, burocracia, estatismo, carga tributária complexa, entre outros –, ainda somos um País de muita sorte. Pelo simples fato de que a solução para nossos problemas só depende de nós mesmos.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Não somos como a Palestina, que depende de Israel para existir. Nem somos como os países europeus, que dependem uns dos outros. Tampouco, como os Estados Unidos, que carregam um peso imenso de problemas deles
e dos outros.

Circulam pelo mundo mais de 16 trilhões de dólares que podem ser investidos em infraestrutura. O Brasil é um país que carece de investimentos e de obras de grande porte. Basta termos um marco regulatório claro e firme e uma concorrência justa para que alguns bilhões aportem por aqui.

Longe das confusões do mundo, o Brasil pode ser um porto seguro para inúmeros investidores. A boa notícia é que muitas das reformas que podem alavancar bilhões de dólares em investimentos estão nas mãos do governo.

Uma ação conjunta entre Executivo, Legislativo e Judiciário pode transformar o Brasil, em pouco tempo, no destino de bilhões de dólares

Uma ação conjunta entre Executivo, Legislativo e Judiciário pode transformar o Brasil, em pouco tempo, no destino de bilhões de dólares. Como fazer? Basicamente, focando as ações em cinco setores de risco: regulatório, cambial, jurídico, tributário e trabalhista. Todas essas áreas representam hoje grandes obstáculos para o investimento no País.

Além de regras de competição justas, as regulações devem indicar remuneração adequada. O risco cambial deve ser minimizado, de forma a dar tranquilidade ao investidor. O respeito ao contrato e às boas práticas deve ser assegurado pelo Judiciário.

O sistema tributário precisa ser simplificado. O pagamento de dívidas fiscais deve ser enormemente facilitado e a dívida dos contribuintes, securitizada. O Refis não deve ser uma exceção. Deve ser permanente. O custo da legalidade tributária deve ser dramaticamente reduzido, assim como a burocracia.

As regras trabalhistas devem ser modernizadas. A começar pela regularização da terceirização e pelo reconhecimento do valor dos acordos entre trabalhadores e empresas frente à CLT.

Boa parte dessas medidas pode ser tomada em algumas semanas. Basta que Executivo, Judiciário e Legislativo entendam que uma ação conjunta entre os três Poderes pode colocar o Brasil em outro patamar, mais elevado. Como disse, diferentemente de outros países, nossos problemas podem ser resolvidos aqui mesmo. Basta termos discernimento e empenho.

 

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.