Lives

“Nós não somos mais uma república de bananas”, diz ministro Barroso em live da IstoÉ

“Nós não somos mais uma república de bananas”, diz ministro Barroso em live da IstoÉ

O ministro do STF e atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, foi o convidado da live de ISTOÉ nesta sexta-feira (12). Carioca, Barroso nasceu em 1958 no município de Vassouras, interior do Rio de Janeiro.

Observador atento da cena política, o togado em entrevista aos jornalistas José Carlos Marques e Germano de Oliveira falou sobre os movimentos que pedem a volta da ditadura militar, sobre o regime presidencialista, racismo e as cotas sociais e sobre a possibilidade do adiamento das eleições municipais.

O tema que tem provocado imensas especulações e tirado o sono de muitos prefeitos e candidatos. Para esses, o presidente do TSE manda um recado: “A decisão está a cargo do Congresso Nacional, mas ninguém quer a prorrogação de mandatos”, avalia.

Como advogado, Luís Roberto Barroso ficou famoso por atuar em casos de grande repercussão. Defendeu as pesquisas com células-tronco embrionárias, a equiparação das uniões homoafetivas com as uniões estáveis heterossexuais, a interrupção da gestação de fetos anencéfalos e a proibição do nepotismo no Judiciário.

Em outro caso de grande repercussão, Barroso defendeu o italiano Cesare Battisti. O currículo mostra que o pres. do TSE não tem medo de enfrentar pautas que agradam ou desagradam uma parte da sociedade, o olhar do ministro é focado na Constituição.

Ao falar sobre a crise política que sacode o país, ele foi categórico em afirmar que: “Não se deve empurrar para o Supremo as crises [divergências na condução da política econômica, a política e outros erros nacionais] e tirar o foco de onde estão os problemas”, alertou.

Indicado ao cargo pela ex-presidenta Dilma Rousseff, em maio de 2013, Luís Roberto Barroso revelou na live que é contra o financiamento público de campanha adotado no Brasil e nem como foi no passado.

“O antigo modelo de financiamento de campanhas por empresas era mafioso”, afirma.

Segundo ele, o país deveria adotar um modelo privado com teto de contribuição. “A política tem que conquistar a cidadania”, entende. “Empresa não quer caridade”, resume.

Autor de dezenas de livros e artigos, o ministro não foge a qualquer pergunta. Pelo contrário, enfrenta-os refletindo sobre o passado e a perspectiva no futuro. Para ele, “defender a volta da ditadura militar é um pouco de desconhecimento da história. São pessoas que perderam a fé no futuro e tem saudades de um passado que não aconteceu. Só por incultura, desconhecimento do que é ditadura pode almejar a volta dessa experiência.”

Barroso avaliou ainda que a crise aumentou a importância do jornalismo profissional no combate a fake news, mas alerta: “Eu não vendo a ilusão que o judiciário vai ser o vingador mascarado das fake news. Não é fácil caracterizá-las. O TSE é uma ator político. O tribunal não vai resolver nada no tapetão”, afirma.

Barroso não acredita que o país vive uma crise institucional e avalia que é grave que empresários pilantras financiem a desestabilização do país. “Nós não somos mais uma república de bananas. Somos uma democracia que amadureceu e superou os tempos do atraso”.

Veja também

+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ Fundador da Ricardo Eletro e filha são presos em operação contra sonegação
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior