Esportes

Nos Estados Unidos, Gabriel Medina vence evento de surfe em piscina de ondas


No primeiro evento na piscina de ondas do norte-americano Kelly Slater, o Brasil fez bonito com dois surfistas fazendo a dobradinha no pódio. Gabriel Medina foi o campeão, enquanto que Filipe Toledo ficou na segunda colocação. No feminino, a vitória foi da havaiana Carissa Moore, com a australiana Stephanie Gilmore em segundo.

Veja também

• GAROPABA TERÁ PISCINA DE ONDAS COM INVESTIMENTO DE R$ 250 MILHÕES
• ENTREVISTA WAVEGARDEN: “GAROPABA TERÁ ONDA ARTIFICIAL MAIS DIVERTIDA DO MUNDO”
• TUBARÃO DE 150 KG É CAPTURADO “POR ENGANO” NO GUARUJÁ (SP)

“Eu fiquei nervoso, mas gostei desse formato de competição. Será um dia que ficará para sempre na memória. É o futuro acontecendo agora. A gente está vivendo um sonho. Foi uma honra viver isso junto com os melhores do mundo”, afirmou Gabriel Medina.

A WSL (Liga Mundial de Surfe, da sigla em inglês) testou um novo formato de competição. Os 10 atletas no masculino e as oito no feminino pegaram quatro ondas cada, sendo duas para a direita e duas para a esquerda. A pontuação final era a soma da melhor onda para um lado e a melhor para o outro – esse sistema faz com que se compute uma onda surfada de frente para ela e outra de costas.

“Essa onda é incrível, é a onda dos sonhos, que temos de viajar horas, dias, para buscar uma onda como essa e às vezes nem acha. Tivemos a oportunidade de ter ela tão fácil. Na verdade, estamos vivendo o futuro. É uma onda que qualquer surfista sonharia ter no seu quintal”, disse Gabriel Medina.

O evento testou a tecnologia criada por Kelly Slater para formação de ondas para o alto rendimento. Ele trabalhou nisso em segredo por quase uma década e na última terça-feira foi o grande teste. A WSL filmou o evento e inovou na exibição dos tubos, por exemplo, quando exibia no telão o tempo que o atleta ficava encoberto pela onda.

“Ter a capacidade de replicar, mesmo que parcialmente, o poder e a forma das ondas para qualquer pessoa no mundo, em qualquer local e a qualquer momento, é uma coisa verdadeiramente mágica”, afirmou Sophie Goldschmidt, diretora executiva da WSL. “Ainda vamos aprender muito sobre como essa tecnologia pode ser aplicada para os eventos ao vivo, como é a performance dos surfistas, como damos a pontuação”.

Os atletas presentes consideraram o evento como um “dia mágico” e com o sucesso do primeiro teste outros devem ocorrer nos próximos meses. Depois disso, não será surpresa se nos Jogos de Tóquio-2020 os organizadores optarem por piscina de ondas artificiais para a estreia do surfe no programa olímpico.

Veja também
+ Joice Hasselmann aparece com fraturas e diz acreditar ter sido vítima de ‘atentado’
+ Pintor é expulso de rodízio por comer 15 pratos de massa; assista
+ ‘Transo 15 vezes na semana’, diz Eduardo Costa ao revelar tratamento por vício em sexo
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago