Brasil

No Rio, lideranças da oposição falam em unidade para derrotar Jair Bolsonaro


Lideranças do PDT, PSOL, PSB, PT, PCB e PV discursaram no início da tarde deste sábado (2) nos atos contra o presidente Jair Bolsonaro realizados na Cinelândia, centro do Rio. Impeachment, preço dos combustíveis, fome, violência, desmonte de direitos e ataques às liberdades foram os eixos centrais das falas, que destacaram a superação das diferenças para derrotar Bolsonaro.

Veja também

+ Que o homofóbico vá pedir emprego a Bolsonaro e viver na Bolsolândia, longe da civilização
+ Sem saber que está ao vivo, Bolsonaro fala sobre propina e ‘preço’ de vaga no STF
+ Marisa Orth é detonada por postar vídeo em que Marília Mendonça critica Bolsonaro

O pedetista Ciro Gomes, único presidenciável a comparecer ao ato no Rio, disse que é preciso pressionar o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para fazer o impeachment avançar. “Precisamos tirar Arthur Lira da inércia. Isso só vai acontecer com luta, com nosso povo organizado, deixando nossas diferenças para depois”, disse. Lira nunca decidiu sobre os mais de cem pedidos de impedimento do chefe do Executivo que chegaram à Casa.

A deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) criticou as fake news e ressaltou a importância da união para vencer Bolsonaro. “Eles querem mais uma vez impedir que a esquerda avance, e a nossa unidade é muito importante. Nós não somos todos iguais, temos as nossas diferenças, mas elas não podem ser maiores do que aturar um fascista no governo. É na rua que a gente derruba o Bolsonaro”, afirmou.

O líder da oposição na Câmara, deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ), também defendeu que o desafio da esquerda é maior do que as diferenças que a separam. “Não é hora de colocarmos as disputas menores, antes de derrubarmos Bolsonaro. … Vamos derrotar Bolsonaro, seja num impeachment agora, seja nas eleições em 2022”, afirmou.

A deputada federal Talíria Petrone, líder do PSOL na Câmara, criticou a condução da crise sanitária e relembrou que metade da população voltou a enfrentar insegurança alimentar durante a pandemia. “Não tenho dúvida de que nós vamos atravessar esse momento. Porque se é verdade que o Brasil foi forjado na violência, também é verdade que o nosso país foi forjado na resistência popular, e é essa resistência que vai tirar Jair Bolsonaro do poder”, acrescentou.

Algumas dessas lideranças devem se unir aos atos em São Paulo, na Avenida Paulista, na parte da tarde. Os protestos deste sábado, vinculados originalmente às legendas de esquerda e que buscam ampliar a participação dos setores de oposição, estão previstos em 305 cidades de todos os Estados e do Distrito Federal, além de 18 países. O principal foco das manifestações passou a ser a crise econômica e temas como a disparada da inflação e o desemprego.


Saiba mais
+ Morre a atriz Noemi Gerbelli, a diretora Olívia da novela 'Carrossel', aos 68 anos
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais