Geral

No País, Covid-19 avança sobre regiões Sul e Centro-Oeste

No País, Covid-19 avança sobre regiões Sul e Centro-Oeste

O vírus Sars-CoV-2 visto em microscópio, em foto fornecida à AFP pelo Instituto Nacional de Saúde, em 27 de fevereiro de 2020 - National Institutes of Health/AFP

A epidemia do novo coronavírus tem se acelerado nas regiões Sul e Centro-Oeste do Brasil nas últimas semanas, de acordo com dados de mortalidade divulgados pelas secretarias estaduais de Saúde e compilados por um consórcio de veículos de imprensa do qual o Estadão faz parte.

Os números deste levantamento são agregados em um intervalo de sete dias, de forma a minimizar as oscilações causadas pelo atraso de notificações em fins de semana e feriados. Nessas ocasiões, os óbitos divulgados costumam ser artificialmente mais baixos, o que cria altos e baixos inverídicos nas estatísticas. Para evitar esse problema, o cálculo revela a média de mortes diárias registradas em cada semana.

Uma série de indicadores mostra como a Covid-19 começou a afetar de forma mais intensa as Regiões Sul e Centro-Oeste, que até agora pareciam ter sido poupadas de epidemias locais em grande escala. Na primeira semana de junho, as duas regiões juntas eram responsáveis por cerca de 4% das novas mortes registradas a cada dia no País. Hoje, já representam quase 18%. Essa dinâmica de crescimento fica ainda mais evidente ao comparar a curva de evolução da doença no Sul e no Centro-Oeste com as demais regiões do País.

Entre a primeira semana de junho e ontem, a média diária de óbitos no Sul passou de 21 para 98, o que representa um aumento de 367%. No Centro-Oeste, no mesmo período, a média de mortes por dia saltou ainda mais: foi de 19 para 114, uma variação de 500%.

Nesse mesmo intervalo, a média no Sudeste passou de 461 para 470. No Nordeste, o valor foi de 347 para 384. Nesses casos, ocorreu um aumento de 2% e 11%, respectivamente, o que indica uma tendência de estabilização. Já no Norte, a variação foi de 170 para 81, uma queda de 52%.

+ Briga de vizinhos termina com personal trainer morta a facadas no interior de SP

Isolamento

Infectologista da Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, Fábio Lopes Pedro afirma que as medidas de isolamento social adotadas nas Regiões Sul e Centro-Oeste adiaram o aumento de casos e, consequentemente, de mortes.

“Essas foram as regiões que se anteciparam nas medidas de isolamento e não resistiram, porque não tem como resistir a tanto tempo. No Sul do País, começou em 17 de março e, com a flexibilização, as pessoas começaram a circular”, diz o especialista. Segundo ele, as curvas de contágio estão ascendentes em praticamente 70% do Rio Grande do Sul e isso preocupa em meio à sazonalidade dos vírus respiratórios nessas regiões.

A microbiologista Giliane de Souza Trindade, da Universidade Federal de Minas Gerais, comenta que Estados do Sul estavam em um “meio isolamento” quando o clima frio chegou, trazendo consigo a temporada de outros vírus respiratórios, como o da gripe.

“Acho que isso é um dos pontos que favorece. As pessoas se aglomeram e fecham portas, janelas e isso facilita a transmissão”, diz ela. Entretanto, para a especialista, a raiz de tudo está na flexibilização, que permitiu o deslocamento de pessoas cansadas do confinamento, deixando-as livre para frequentar espaços onde se aglomeram.

Já Vitor Engrácia Valenti, professor livre-docente da Unesp de Marília, observa que o avanço que ocorre no Sul e Centro-Oeste deve-se, possivelmente, ao baixo número de casos em março, abril e maio. “Muitas pessoas não estão imunes ao vírus. Além disso, algumas cidades reabriram shoppings nessas regiões, o que causou surtos rápidos, induzindo esses municípios a fecharem de novo.”

Os dados foram coletados por um consórcio entre seis veículos de imprensa – Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha de S.Paulo e UOL – que reúnem os números divulgados pelas secretarias estaduais de Saúde. A colaboração entre os jornais se iniciou quando o governo do presidente Jair Bolsonaro ameaçou restringir o acesso a estatísticas sobre o coronavírus no País – e foi mantida posteriormente.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?