Esportes

No Mundial, promessa de 16 anos renova tradição do Palmeiras no Tiro com Arco

O arqueiro César Hideki disputa nesta semana o Campeonato Mundial de Tiro com Arco da Juventude, em Madri, na Espanha. Aos 16 anos, o atleta do Palmeiras representa um dos grandes talentos da modalidade, renovando a tradição do clube paulista neste esporte.

Um dos dez atletas da seleção, o palmeirense será o único do Brasil a atirar na categoria composto masculino cadete contra 54 adversários. Além dos títulos paulistas (indoor e outdoor) e brasileiro (indoor) em sua categoria, Hideki foi campeão brasileiro outdoor adulto por equipes, ao lado dos experientes companheiros Rogério de Lima, conhecido como Zero, e Fabio Tassinari. Ainda com eles, a jovem promessa ficou a um ponto de conquistar o bronze por equipes do Mica, maior torneio indoor da América Latina, também entre os adultos.

É a primeira vez que o atleta representa a seleção brasileira. “É a minha primeira competição no exterior. Estou muito ansioso, pois estou ao lado dos 54 melhores atletas, de diversos países, na minha modalidade e categoria. A participação no Mundial em Madri trará muita aprendizagem. Para mim é uma honra poder representar o meu País. A principal meta é voltar com alguma medalha”, afirmou o atleta.

Todos realizaram o treino oficial nesta segunda-feira, para reconhecimento do campo e das condições de tiro, além dos ajustes finais. Nesta terça-feira, aconteceu o ranqueamento em que vão disparar 72 flechas a 50 metros do alvo. Nos dias seguintes, serão realizados os combates eliminatórios individuais até a final. Nesta terça-feira, ele vai enfrentar o canadense Brady Klassen. César também participa dos duelos por duplas mistas, ao lado de Juliana Pinho, do Clube Esperia. O adversário será Hong Kong.

Agora em 2019, o palmeirense já tem matematicamente garantidos, como cadete, os ouros dos Paulistas Indoor e Outdoor e Brasileiro Indoor. Após o Mundial, deverá ser novamente peça importante do grupo alviverde que disputará o Brasileiro Outdoor Adulto, novembro, em Maricá (RJ).

Para as seletivas em Maricá, no primeiro semestre, e também para viajar a Madri, Hideki conta com o patrocínio de Afonso Siqueira, ex-arqueiro do próprio Palmeiras. Hideki concilia a carreira de atleta em ascensão com um cotidiano típico adolescência. Estudante do 2º ano do Ensino Médio no Colégio Salesiano, ele tem de antecipar as tarefas escolares no momento das viagens.

Além disso, ele tem de abrir mão das festas e atividades com os amigos para praticar sua modalidade. Diariamente, Hideki precisa fazer exercícios de musculação para fortalecimento e resistência. O arco que ele sustenta para atirar pesa 4kg. “É preciso ter resistência no braço esquerdo, o braço que segura o arco, por causa do vento e do peso”, diz o caçula da seleção.

Hideki atualiza a tradição do Palmeiras na modalidade. Hoje, o clube conta com 11 arqueiros e está entre os três melhores clubes do País. Os treinos são realizados na Academia de Futebol do clube, no gramado ao lado dos treinos das equipes de futebol. São 100 metros disponíveis 24 horas por dia. Atletas importantes da seleção fazem parte da equipe palmeirense, como Rogério de Lima. Profissionais ouvido pelo Estado afirmam que o contato de Hideki com profissionais mais experientes ajudaram sensivelmente em sua evolução.

Veja também

+ Cartucho de videogame do Super Mario Bros. é leiloado por US$ 114 mil e quebra recorde
+ Moto pega fogo ao ser desinfectada; veja o vídeo
+ Aparência de apresentadora da TV britânica choca redes sociais
+ Empresário de 34 anos morre após cair do parapente no Espírito Santo
+ Dicas fáceis de como limpar panela queimada
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Neto de Elvis Presley é encontrado morto, diz site
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior