Mundo

Nicarágua: aumento da violência contra a Igreja e da repressão a opositores

Nicarágua: aumento da violência contra a Igreja e da repressão a opositores

Imagem da chamada "marcha de zombaria", organizada por estudantes universitários para exigir a libertação de oponentes presos por dissidência do governo de Daniel Ortega, em Manágua - AFP


A violência e o cerco aos templos templos católicos da Nicarágua aumentaram na segunda-feira (18), em um momento de repressão do governo de Daniel Ortega a opositores que iniciaram greves de fome em duas igrejas para exigir a libertação de 139 “presos políticos”.

Depois que policiais cercaram durante todo o dia os arredores da igreja de San Miguel de Masaya e da catedral de Manágua, onde grupos de opositores jejuam como parte da campanha “Natal sem presos políticos”, a arquidiocese da capital da Nicarágua denunciou que partidários do governo invadiram a catedral de maneira violenta.

“Grupos violentos ligados ao governo invadiram e tomaram o controle da catedral de Manágua. Quando foram questionados pelo padre Rodolfo López e pela freira Arelis Guzmán, estas pessoas responderam com violência contra os religiosos”, afirmou arquidiocese, presidida pelo cardeal Leopoldo Brenes, em um comunicado.

Também quebraram os cadeados do campanário e outros pontos da catedral, acusou a igreja, que considerou o ocorrido uma “profanação” e pediu ao presidente Ortega que respeite os templos católicos.

A repressão aconteceu depois que a opositora Unidade Nacional Azul e Branco (UNAB), que reúne 92 grupos, anunciou novas ações de pressão contra o governo dentro de sua campanha “Natal sem presos políticos”.


+ Atleta de Jiu Jitsu morre aos 30 anos de Covid 15 dias após perder o pai pela doença
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Mulher morre após ingerir bebida alcoólica e comer 2 ovos



A oposição pretende organizar “protestos rápidos, manifestações, greves de fome simultâneas e uma paralisação nacional que será coordenada com as empresas privadas”, afirmou Félix Maradiaga, um dos líderes da coalizão.

Ortega já chamou os bispos católicos de “golpistas” por seu apoio aos manifestantes que foram feridos durante os protestos de abril de 2018, que o governo atribuiu a uma tentativa frustrada de golpe de Estado.

Na quinta-feira da semana passada, 11 mulheres iniciaram uma greve de fome na igreja San Miguel de Masaya para exigir a libertação dos opositores presos. O governo, no entanto, não reconhece que a Nicarágua tenha detentos por motivos políticos.

Desde então, a polícia mantém um cerco ao templo para impedir o acesso às manifestantes. As autoridades também cortaram o fornecimento de água da igreja.

Na segunda-feira, outros nove opositores anunciaram uma greve de fome na catedral de Manágua como parte da mesma campanha.

Os policiais também cercaram e bloquearam o acesso à catedral, mas algumas horas depois simpatizantes do governo invadiram o local.

Fontes da oposição afirmaram que as pessoas em greve de fome conseguiram entrar em uma instalação anexa da catedral para prosseguir com o protesto.

Veja também

+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS