Brasil

Olavo: ‘Nem Lula seria vil o bastante para se esconder atrás de um doente’

Crédito: Reprodução/TV Globo

Em atrito público e contínuo com os militares do governo de Jair Bolsonaro, o escritor Olavo de Carvalho publicou em suas redes sociais na madrugada desta terça-feira, 7, um comentário em que critica generais por, em sua avaliação, se esconderem “por trás de um doente preso a uma cadeira de rodas”.

A publicação veio após o ex-comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, que por problemas de saúde, utiliza uma cadeira de rodas, publicar uma nota na segunda-feira, 6, dizendo que Olavo, ao atacar militares, acentua “divergências nacionais”. Olavo de Carvalho cita o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Operação Lava Jato e adversário político do atual governo.

“Nem o Lula seria vil e porco o bastante para, fugindo a argumentos sem resposta, se esconder por trás de um doente preso a uma cadeira de rodas. Mas os nossos heroicos generais são”, escreveu.

Nesta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro divulgou nota na qual exalta o escritor pelo combate à esquerda e diz que sua obra “em muito contribuiu” na eleição de 2018. “Quanto aos desentendimentos ora públicos contra militares, aos quais devo minha formação e admiração, espero que seja uma página virada por ambas as partes”, completou o presidente.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel