Economia

Negociação EUA-China trava por questão de compras agrícolas, dizem fontes

As conversas comerciais entre Estados Unidos e China atingiram uma trava por questões de compras agrícolas, de acordo com pessoas ligadas ao assunto. Isso cria outro obstáculo no caso, conforme Pequim e Washington tentam fechar a fase 1 do acordo.

O presidente americano, Donald Trump, tem dito que a China concordou em pagar até US$ 50 bilhões em soja, carne de porco e outros produtos agropecuárias dos EUA anualmente. Mas Pequim reluta em estabelecer um compromisso com um valor específico no texto de um potencial acordo, segundo as fontes.

O governo chinês quer evitar fechar um acordo que parece beneficiar apenas o lado americano, disseram algumas das pessoas ouvidas, e também deseja ter uma rota de saída se as tensões comerciais tiverem nova escalada. “Nós sempre podemos interromper as compras se as coisas piorarem de novo”, afirmou uma autoridade chinesa.

Autoridades chinesas também têm resistido a demandas americanas por um mecanismo forte de cumprimento do acordo e para limitar a transferência forçada de tecnologia para companhias que buscam fazer negócios na China, segundo uma fonte ligada às conversas.

O escritório do representante comercial dos EUA, que lidera as negociações do lado americano, ainda não havia comentado o assunto. A embaixada chinesa em Washington tampouco respondeu até agora a um pedido de resposta. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Após se aposentar da Globo, Sérgio Chapelin aparece com novo visual; veja
+ Nick Cordero morre aos 41 anos, vítima de complicações da Covid-19
+ Hamilton bateu de novo em Albon; veja memes da F1
+ Pandemia adia cirurgia e saúde de Schumacher piora
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior