Comportamento

Navio da salvação ambiental

Chamada de Manta, a embarcação poderá coletar mais de três toneladas de plástico por hora. Todo lixo vira combustível renovável

Crédito: Divulgação

SUSTENTABILIDADE Outros navios como o Manta ocuparão os mares: autosuficiência energética (Crédito: Divulgação)

Um dos maiores desafios da humanidade hoje é reduzir e controlar a poluição dos oceanos. Há alguns meses, a Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou que esta década será dedicada à proteção das águas dos mares, algo indispensável para evitar uma catástrofe. Mas, independente dos índices alarmantes de poluição, ainda é possível sonhar com um futuro sustentável. A esperança tem nome e se chama Manta.

+ Coppe/UFRJ desenvolve sistema para identificar óleo nos oceanos
+ Cientistas rastreiam dejetos plásticos por satélite para limpar oceanos
+ Plástico nos oceanos pode chegar a 600 milhões de toneladas em 2040

PROPÓSITO O velejador suíço Yvan Bourgnon deu a volta ao mundo duas vezes: protetor dos oceanos (Crédito: LUCIEN LIBERT)

Com mais de 45 metros de comprimento, trata-se de um navio com capacidade de coletar lixos dos oceanos, sobretudo plástico, e transformá-lo em energia. Isso lhe dá condições para operar de maneira autônoma em 75% do tempo que está em atividade. A embarcação é forjada com aço de carbono e possui painéis solares, geradores potentes e turbinas eólicas. “A capacidade de recolher o lixo é inovadora”, conta o engenheiro naval João Ferreira Netto, da Escola Superior de Engenharia e Gestão (ESEG). Com mais de 22 funcionários, o Manta poderá coletar cerca de três toneladas de lixo por hora, um marco no setor marítimo. “Os incentivos irão crescer com embarcações como esta”, explica Netto.

10 mil toneladas
É a quantidade anual de plástico que o Manta pode coletar nos mares 

Idealizador do projeto ao lado da ONG SeaCleaners (Limpadores do mar), o velejador suíço Yvan Bourgnon, conta que há décadas observa a degradação das águas e sentiu que tinha que fazer alguma coisa. “A poluição de plástico é alarmante”, diz. Por enquanto, só há um protótipo do navio autônomo disponível, mas Bourgnon já sabe onde ele poderá ser mais útil. “Nossa esperança é que centenas de Mantas sejam construídos para ajudar na limpeza dos oceanos, sobretudo na Ásia”, diz, referindo-se à região que concentra 60% da poluição de plástico no mundo. Segundo a SeaCleaners, os dois primeiros navios serão comercializados a partir de 2024: cada um deles coletará mais de dez mil toneladas de plástico por ano.