Mundo

Naomi Seibt: a jovem ativista ‘anti-Greta Thunberg’ que se considera ‘realista climática’

Crédito: Reprodução Facebook

A adolescente alemã Naomi Seibt, de 19 anos, foi aclamada pelos céticos da mudança climática, durante um evento nos Estados Unidos. A jovem, que se vê como uma “realista climática”, também teve que responder sobre possíveis comentários anti-semitas defendidos por ela.

Seibt, de Münster, na Alemanha, é vista como uma voz jovem antagonista as ideias de Greta Thunberg, por questionar o consenso científico sobre a crise climática, a qual ela chamou de “ridícula”, de acordo com o jornal britânico The Guardian.

A jovem falou em um evento paralelo da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) – uma reunião anual de alto perfil de ativistas de direita nos Estados Unidos, que contará com o presidente do país, Donald Trump.

“Hoje, a ciência das mudanças climáticas realmente não é ciência”, afirmou Seibt. “O objetivo [dos cientistas climáticos] é envergonhar a humanidade. O alarmismo das mudanças climáticas é, em sua essência, uma ideologia desprezivelmente anti-humana, e somos instruídos a menosprezar nossas realizações com culpa, vergonha e nojo, e nem mesmo levar em conta os muitos benefícios importantes que obtivemos com o uso de combustíveis fósseis. Como nossa principal fonte de energia”, afirmou Seibt em seu discurso.

Questionada no evento sobre comentários anti-semitas feitos em seu canal no YouTube, ela disse que considera “ridículo como a mídia sempre escolhe as coisas que eu digo”, e afirmou não ser anti-semita.

“Na verdade, eu estava dizendo que acho errado comentar sobre diferentes raças e vê-las de maneira diferente”, disse Seibt. “Todos devemos ser considerados iguais. Era isso que eu estava realmente dizendo, era assim que eu via a opinião pública sobre diferentes raças ou religiões”, completou a jovem.

Em outro vídeo em sua rede social, Naomi se refere ao ativista canadense Stefan Molyneux como uma “inspiração”. O problema é que Molyneux foi descrito como um “suposto líder do culto que amplia o racismo cinetífico, a eugenia e a supremacia branca”, de acordo com o Southern Poverty Law Center, uma organização norte-americana especializada em direitos civis.

A ativista se defendeu do comentário e disse que estava descrito fora de contexto. Além disso, a adolescente foi contrata por uma think tanks – instituições que promovem e difundem informações sobre temas específicos – chamada Heartland Institute. Essas organizações, de acordo com o The Guardian, são tradicionalmente financiadas por empresas de combustíveis fósseis e carvão, também conhecidas por propagar teorias radicais anti-científicas sobre a crise climática.

Veja também

+ Maria Zilda relembra como soube que Ary Fontoura era gay: “A coisa mais incrível que já ouvi”
+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior