Brasil

‘Não vão me constranger’, diz Cunha no Twitter

Após ser alvejado por uma senhora no Aeroporto de Santos Dumont, no Rio de Janeiro, o ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB) se manifestou nas redes sociais sobre o episódio que deu grande repercussão na internet. “Continuo a dizer, podem vir me esperar, será um prazer. Não vão me constranger”, afirmou o peemedebista alvo de duas ações penais na Lava Jato em seu perfil no Twitter.

Cunha afirmou que o grupo que o filmou é “liderado” pela sua agressora que, inclusive, já o estavam esperando no local, como fizeram na semana passada, segundo o ex-parlamentar. À reportagem, ele disse que a mulher que aparece no vídeo tentou agredi-lo duas vezes, na quinta-feira, 6, e no feriado de quarta-feira, 12, ao desembarcar no Aeroporto de Santos Dumont, mas não confirmou de quando é o vídeo.

O deputado cassado informou ter solicitado à Infraero auxílio para saber quem é a senhora. “Pretendo identificar e, depois, processar”, adiantou. Ele disse que, embora tenha tentado, a mulher não conseguiu agredi-lo fisicamente.

Cunha comentou que tem viajado pelo Brasil e recebido também manifestações de apoio: “Ontem mesmo (quarta) tirei várias selfies”.

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Idoso morre após dormir ao volante e capotar veículo em Douradoquara; neto ficou ferido
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel