Brasil

Não tem por que me responsabilizar por algo que um eleitor meu faz, diz Bolsonaro

Não tem por que me responsabilizar por algo que um eleitor meu faz, diz Bolsonaro

O candidato Jair Bolsonaro, fotografado durante a votação na primeira rodada das eleições presidenciais de 7 de outubro de 2018, causou arrepio nos investidores - AFP/Arquivos

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, voltou a afirmar nesta quinta-feira, 11, em entrevista à CBN, que não pode se responsabilizar por atos de violência cometidos por eleitores dele.

“São 48 milhões de pessoas. Você quer que me responsabilize por elas? Me desculpa, quem levou a facada foi eu. Lamento isso aí (atos de violência). Condenar, condeno sim. Mas não tem porque me responsabilizar por algo que um eleitor meu faz”, disse o candidato.

Ditadura

Na entrevista, o candidato relativizou o número de mortos e desaparecidos durante a Ditadura Militar Brasileira (1964-1985). De acordo com Bolsonaro, hoje “morrem 400 pessoas em um Carnaval e não se fala nada”.

O relatório final da comissão da verdade estima que o número de mortos no período foi de 434.

Bolsonaro também se negou a comentar os crimes cometidos pelo Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-Codi. Para o candidato, o militar não teve “nenhuma condenação transitada em julgado”.

Ministério

O candidato afirmou ainda que pode indicar para o ministério de um eventual governo dele “gays, mulheres e afrodescendentes”. A resposta foi a uma pergunta sobre a participação feminina em cargos do Executivo caso de ele ser eleito presidente.

“O que nós temos é que um homem vai estar no ministério, na Defesa. O resto podem ter gays, mulheres e afrodescendentes”, afirmou.

Mais cedo, Bolsonaro disso em evento com militantes que, se for eleito, vai indicar o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-SP) para a Casa Civil, Paulo Guedes para a Fazenda e Planejamento e General Augusto Heleno para a Defesa.

Na entrevista, após a declaração sobre a participação feminina, Bolsonaro disse que vai deixar para depois a questão dos outros ministérios.

O candidato também voltou a negar que defenda a diferença salarial entre homens e mulheres. Para ele, o mercado é quem deve decidir esta questão.

Previdência

O capitão da reserva afirmou ainda ser contrário à reforma da Previdência proposta pelo presidente Michel Temer (MDB). “A gente tem de reformar com responsabilidade”, disse. “Nós não concordamos com a reforma da Previdência de Temer, é uma colcha de retalhos.”

Bolsonaro também disse não ter fechado questão em torno da idade mínima. “Pode mudar. No primeiro ano, a gente pode fazer um plano 62-57 anos”, afirmou.

Ele também defendeu acabar com as incorporações nos salários de servidores públicos. “É uma farra de marajás esta aí”, disse.

Privatização

O candidato disse que é favorável à privatização de empresas estatais “com responsabilidade”. Para o capitão da reserva, um exemplo disso é a o de Golden share da Embraer.

“Conversei com nosso economista. No governo petista foram criadas mais de 50 empresas estatais, como a estatal do trem-bala, a TV do Lula”, afirmou. “A golden share da Embraer é um bom modelo.”

Bolsonaro reafirmou ainda ser contra privatizações do setor elétrico, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. “São setores estratégicos”, afirmou.