Cultura

‘Não fui enganada’, diz Gloria Maria sobre uso de maconha em reportagem

Gloria Maria relembrou da reportagem em que precisou usar maconha na Jamaica, em 2016. Em entrevista ao programa Altas Horas, neste sábado, 5, a jornalista explicou que não foi enganada e que sabia do que se tratava.

“Ali eu não fui enganada, eu sabia que era a coisa jamaicana… Que todo mundo sabe… Quer dizer, era só uma questão de eu traduzir pro português, o intérprete não ia saber. Talvez eu tenha enganado o intérprete. Mas Jamaica é Jamaica, né”, comentou, aos risos.


O assunto sobre viagens internacionais começou quando Serginho Groisman questionou se a comunicadora já teve algum problema com os intérpretes que a ajudavam nas reportagens. Antes de mencionar o episódio da maconha, Gloria negou e contou outra história.

“Não, nunca aconteceu. Porque a gente faz um trabalho rigoroso pra conseguir. Teve uma vez no Irã, que é um país que todo mundo acha que é muito sério, muito rigoroso. A gente foi pra um deserto que fazia até 70 graus e ele falou que não trouxe água, o cara traduzindo. Aí o cara pegou uma garrafa que era tipo a cachaça deles ‘olha, mas eu trouxe isso aqui'”, que era proibido”, lembrou.

A ocasião em que Gloria usou maconha foi em uma reportagem produzida para o Globo Repórter. Na matéria, a jornalista visitou uma tribo rastafári, a fim de mostrar mais de sua cultura, e terminou experimentando a “ganja”, nome dado para a maconha na Jamaica. No país, o uso da substância é permitido para fins religiosos.